O sujeito vai ao tribunal, acusado de assassinato da própria esposa e o juiz inicia o interrogatório:

- Aderbal dos Santos Neto, o que o senhor tem a dizer em sua defesa?

- Bem, meritíssimo. . .
Eu voltei para casa um pouco mais cedo e encontrei minha mulher na cama
com o meu melhor amigo! Isso foi demais para mim e eu tive que dar um tiro nela.
Bem, isso é tudo que eu tenho a dizer.

- Mas espere! – Exclama o juiz, confuso -
Não há nada sobre esse seu amigo no processo verbal. O senhor poderia nos dizer o que aconteceu com ele?

Bem, meritíssimo. Eu sempre gostei muito dele e acho que ele não teve culpa!
O máximo que consegui fazer foi deixá-lo uma semana preso na coleira, sem comer ração!
Mas depois fiquei com dó do coitado!