Brigadas cinotécnicas verificaram se havia pessoas no interior antes de começar a demolição



(Em atualização) A Câmara do Porto iniciou esta segunda-feira a operação de demolição das antigas fábricas do sabão de Lordelo do Ouro, no Porto. As instalações, abandonadas há mais de uma década, funcionavam como um dos principais focos de tráfico e consumo de droga da cidade.
Cerca de 15 pessoas habitavam estas fábricas abandonadas em condições de salubridade e segurança inexistentes. O local funcionava como uma enorme concentração de "salas de chuto", onde se transacionava e consumia todo o tipo de drogas, assegura fonte da Câmara Municipal do Porto. Por dia, cerca de 400 pessoas frequentavam as instalações, em avançado estado de degradação, que serviam também de local de prostituição.
Segundo a autarquia, apenas três pessoas que habitavam no local aceitaram alojamento, tendo as outras 12 recusado.
Desde sexta-feira que a Polícia Municipal se mantém no local para impedir a reocupação das fábricas. Esta madrugada de segunda-feira, pelas 4 horas, foi feita uma última busca ao local.

foto Gabinete de Comunicação e Promoção CMP


A operação de demolição dos edifícios deverá começar às 8 horas, tendo antes decorrido mais verificações de segurança para confirmar que não se encontra ninguém no local.





jn