Um jovem de 14 anos morreu, na quarta-feira, depois de um disparo efetuado pela polícia durante protestos na localidade de Sitra, no sul de Manama, capital do Bahrein, informaram grupos da oposição e de direitos humanos.

O movimento de oposição 14 de Fevereiro explicou, esta quinta-feira, em comunicado, que o adolescente fazia de jornalista cidadão dentro do grupo instigador da maioria das manifestações naquele país.
A morte deu-se quando os opositores participavam no terceiro dia de exéquias de outro jovem, que com 19 anos faleceu na semana passada numa explosão, também em Sitra.
De acordo com testemunhas, vários manifestantes foram alvo de uma emboscada da polícia durante os confrontos e a vítima não conseguiu escapar. O partido xiita Al Wefaq, o principal da oposição, denunciou num comunicado que os disparos foram efetuados a curta distância e acertaram no peito e na cabeça do jovem.
Os ativistas difundiram na internet várias fotografias do falecido. Por seu lado, a polícia confirmou que as forças de segurança estavam na zona, embora tenha justificado a sua atuação, e observou que estão a investigar a morte do jovem.
O Bahrein é um pequeno país do Golfo Pérsico e, desde fevereiro de 2011, tem sido cenário de manifestações a favor de reformas democráticas lideradas pela maioria (e oposição) xiita, que se opõe à monarquia sunita que governa o país.



jn