O Tribunal Penal Internacional condenou, esta sexta-feira, o ex-líder de milícia congolês Germain Katanga a 12 anos de prisão por assassínios durante um ataque em 2003 à aldeia de Bogoro, na República Democrática do Congo.


Germain Katanga


"Determinamos uma pena conjunta de 12 anos de prisão", disse o juiz Bruno Cotte durante a leitura da sentença, que visava estabelecer a duração da pena.
Em março, o Tribunal Penal Internacional (TPI) tinha considerado Katanga, de 36 anos e conhecido localmente como Simba (leão), culpado de cumplicidade em crimes de guerra e contra a humanidade, por facilitar e coordenar o fornecimento de armas aos membros da sua milícia em Ituri, no nordeste da RDCongo, onde se situa a aldeia de Bogoro. Foi absolvido das acusações de violação e do recrutamento de crianças soldado.
No dia 24 de fevereiro de 2003, a milícia de Katanga, Força de Resistência Patriota em Ituri, de base étnica lendu e ngiti, invadiu e pilhou a localidade de Bogoro, de etnia hema, violou mulheres e matou numerosas pessoas.
Para a determinação da duração da pena, os magistrados tiveram em conta a "gravidade" dos crimes cometidos e o papel "significativo" do acusado na realização dos mesmos.
"Os crimes, dirigidos contra a população de etnia hema, visavam a eliminação da aldeia de Bogoro e da sua população", referiu o juiz.



jn