Foi com tristeza e comoção que a freguesia de Abação, em Guimarães, viveu a tradicional procissão do Espírito Santo, este domingo à tarde. A notícia da morte do padre Joaquim Bragança não deixou ninguém indiferente, até porque o pároco ia ser homenageado na missa depois do cortejo religioso.
Na véspera, sábado à noite, sucumbiu à emoção quando preparava a roupa que ia vestir na homenagem. Minutos antes de morrer, conversou com uma das três freiras com quem partilhava residência. Perguntou como ia estar o tempo no dia seguinte e o que ia vestir. Então sorriu, soltou uma lágrima e fechou os olhos para nunca mais os abrir.
"Foi uma morte santa", afirmava Rafaela Marques, paroquiana, na procissão a caminho da igreja da Lapinha. Foi lá que Joaquim Bragança celebrou a primeira missa, há 65 anos, e esta efeméride era o motivo da homenagem organizada pela Irmandade da Lapinha.



jn