O jovem belga ferido no sábado no tiroteio no Museu Judaico da Bélgica, em Bruxelas, morreu hoje, fazendo aumentar para quatro o número de mortos do atentado, disse o presidente da Liga belga contra o antissemitismo.



O jovem, de 20 e poucos anos, que trabalhava como rececionista no museu, morreu ao início na tarde no hospital devido à gravidade dos ferimentos, indicou Joel Rubinfeld.




Um casal de turistas israelitas e uma francesa foram igualmente mortos no ataque, ocorrido às 15:50 de sábado (14:50 em Lisboa).
"Estou profundamente triste, os meus pensamentos estão com aqueles que perderam a vida no ataque em Bruxelas. Confio a sua alma a Deus", declarou hoje o papa Francisco em Telavive, à sua chegada a Israel, no âmbito da visita que efetua ao Médio Oriente.
Ao discursar antes perante o Presidente israelita, Shimon Peres, e o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o papa tinha defendido "uma educação em que não haja lugar para o antissemitismo nem para qualquer expressão de hostilidade, de discriminação ou de intolerância em relação a indivíduos e a povos".
O atentado suscitou choque na Bélgica, como no resto da Europa e em Israel. Netanyahu disse no sábado que o ataque era o resultado dos "constantes incitamentos contra os judeus e o seu Estado".


jn