A Assembleia Municipal de Cascais aprovou na terça-feira à noite o Plano de Pormenor de Carcavelos, sob vários protestos das cerca de duas centenas de munícipes presentes, obrigando à intervenção da PSP.


Praia de Carcavelos


Apesar dos apelos à sensibilização dos deputados municipais para reprovarem um plano que "viola as leis ambientais e que irá prejudicar a qualidade de vida dos munícipes", os contestatários do Plano de Pormenor de Carcavelos, que marcaram presença na Assembleia Municipal de Cascais, acabaram por ver o projeto ser aprovado pela maioria PSD/CDS e nem a "esperança" depositada no voto contra da presidente da união de freguesias de Carcavelos e Parede, que é da cor do executivo, foi correspondida.
Antes da votação, o público teve oportunidade de falar e vários foram os intervenientes que apelaram ao chumbo do projeto, com argumentos de que o plano "não respeita a lei", "não realizou os estudos devidos", prevê um "elevado risco de cheias" e é um "atentado à costa portuguesa em nome do negócio imobiliário".
"O futuro será o que o presente condicionar e os erros de hoje irão repercutir-se nas gerações vindouras. Por favor, não queiram ser a hipoteca do futuro das nossas gerações", apelou a porta-voz do grupo "Fórum por Carcavelos", Anamaria Azevedo.

O ato eleitoral reuniu os votos favoráveis do PSD/CDS, que, contudo, reconheceu que este "não é o projeto ideal, mas é o melhor possível".
O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, assegurou que "o processo não termina aqui" e que "haverá um cuidadoso acompanhamento".




jn