O processo de destruição do arsenal de armas químicas da Síria não vai estar terminado antes da data limite de 30 de junho, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas numa carta endereçada ao Conselho de Segurança.



A missiva, datada de 23 de maio, acompanha o mais recente relatório da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), segundo o qual 92% do arsenal foi retirado da Síria.




As armas químicas que faltam "estão embaladas e prontas" a serem retiradas assim que as condições de segurança do país o permitam, refere o relatório da OPAQ, divulgado a 27 de abril, um dos vários prazos limite definidos para o termo da operação de retirada das armas químicas que a Síria falhou.
Nestas circunstâncias, escreveu Ban Ki-moon na missiva a que a agência AFP teve acesso, "é imperativo que a Síria termine as operações de retirada das restantes [armas químicas] o mais rapidamente possível".
"É agora evidente que algumas ações relacionadas com o programa de destruição de armas químicas da Síria vão continuar para lá de 30 de junho", escreveu o secretário-geral da ONU, afirmando que o trabalho irá continuar, mas por um "período finito".
"Isso também dará tempo suficiente para pôr em prática acordos subsequentes adequados para a OPAQ dar continuidade a residuais atividades de fiscalização no país depois dessa data", considerou.


dn