Nigéria-Bósnia, 1-0

Odemwingie e Emenike, diabos negros, nomes malditos em Sarajevo e por toda a Bósnia. O primeiro fez o único golo do jogo, o segundo arrasou a defesa dos Balcãs com arrancadas constantes. Monstruosamente decisivos, pois, para a eliminação dos europeus do Mundial.

O resultado manda o pelotão de Safet Susic para casa e deixa a Nigéria a discutir com o Irão (quem diria) o segundo apurado neste Grupo F.

O Mundial continua belo, extraordinário em alguns momentos. Este jogo não baixou a fasquia da espetacularidade. A maior diferença esteve na inspiração dos dois nomes que abrem o texto e na pouca propensão bósnia para defender sólida e convictamente.

FICHA DE JOGO E A PARTIDA AO MINUTO

Chegou a ser impressionante a forma como os avançados da Nigéria conseguiam, com notável facilidade, deixar os defesas da Bósnia para trás. Spahic e colegas nunca demonstraram pernas, nem tão pouco cabeça, para proteger com qualidade a baliza de Begovic.

É verdade que no processo ofensivo, Pjanic e Dzeko foram capazes de dar algum equilíbrio ao jogo, com aproximações bem construídas e trocas de bola pensadas e executadas com precisão. A raiz do problema bósnio estava atrás e revelou-se maligna. Nada a fazer.

Talvez as palavras fossem diferentes se o golo limpo de Dzeko não tivesse sido anulado, ainda antes do 1-0, mas numa análise global e objetiva a Nigéria mandou na partida e só pode merecer aplausos pelo crescimento demonstrado nesta partida.

RESULTADOS E CLASSIFICAÇÕES

Atenção, muita a atenção, a esta Nigéria. Comandada por Obi Mikel, classe e maturidadade no meio-campo, e apetrechada de cavaleiros selvagens no trio da frente.

Muitos e bons nomes para seguir com redobrada atenção no decisivo jogo contra a Argentina. A Bósnia, já sabe, despede-se contra o Irão. Deixa uma imagem positiva, mas claramente afetada por deficiências anormais em todo o exercício defensivo.

Só mais uma nota sobre a Nigéria: não ganhava um jogo em Mundiais desde 1998, há 16 anos. ainda com Jay Jay Okocha, Sunday Oliseh e Rasheed Yekini na equipa. As Super Eagles rebentam de alegria.

Fonte: Mais Futebol