Bélgica-Rússia, 1-0

A Bélgica está nos oitavos de final do Mundial graças a uma vitória sobre a Rússia arrancada nos últimos minutos da partida. Até ao golo de Origi, estava a ser um dos jogos mais táticos do Mundial e houve mesmo um adepto que apareceu a dormir na bancada.
O banco de suplentes foi novamente fundamental para assegurar a vitória belga. Aliás, os três golos da Bélgica na competição foram marcados por jogadores que não foram titulares e entraram no decorrer da partida (Fellaini e Mertens, contra a Argélia, e agora Origi). A distinção entre as duas equipas acabou por ser o talento individual de Hazard, que descomplicou o que parecia estar atado.
A primeira parte trouxe duas equipas bem organizadas taticamente e sem muitos erros de marcação. O equilíbrio foi sendo ameaçado sobretudo por Mertens. O extremo belga esteve endiabrado do lado direito do ataque, fazendo da defesa russa o que queria.
Saíram dos seus pés as principais oportunidades da Bélgica, mas nenhuma delas tão perigosa como a que Kokorin desperdiçou já nos últimos minutos. O cruzamento do lado direito é de Glushakov e não podia ter sido mais perfeito, mas o avançado russo atirou ao lado, de cabeça.
Antes, ainda a reter um penálti não assinalado pelo árbitro alemão Felix Brych a favor da Rússia, por falta de Alderweireld sobre Kanunnikov. De salientar também a substituição forçada na Bélgica, já que Vermaelen se ressentiu da lesão sofrida no aquecimento e acabou por sair aos 32 minutos de jogo.
Na segunda parte, as equipas pareceram mais preocupadas em defender bem do que em marcar. A Rússia controlou mais, mas nunca chegou a ser muito perigosa. Foi mudando Marc Wilmots, que aos 57 minutos substituiu novamente Lukaku. O avançado saiu zangado, mas a entrada de Origi viria a ser decisiva.
Aos 62 minutos, nova lesão obrigou Fabio Capello a mudar e a tirar Kozlov, entrando Eshchenko. Foi dele, até, a oportunidade mais perigosa da Rússia na segunda parte, quando, após um bom trabalho de Shatov, o lateral rematou ao lado. Courtois nem a via…
Mertens, apagadíssimo entretanto, deu lugar a Mirallas, que protagonizou a primeira ameaça belga: aos 83 minutos, marcou um livre direto e a bola bateu no poste. Dois minutos depois, um remate de Hazard é desviado à última da hora por um defesa russo. O médio do Chelsea acabaria por chamar a si a decisão do jogo quando combinou com Origi para o golo da tarde, já aos 87 minutos. Lukaku bem pode fichar chateado, mas o avançado do Lille é um sério candidato à titularidade.
As coisas complicam-se para a Rússia, que ainda tem esperanças para o último jogo, contra a Argélia, mas tem de esperar uma combinação de resultados. Atenção que este grupo H cruza com o de Portugal nos oitavos...

VEJA A FICHA DO JOGO

Fonte: Mais Futebol