O português Carlos Sá confirmou esta sexta-feira que vai participar na ultramaratona Badwater, nos Estados Unidos, onde vai defender o título conquistado em 2013. "Não estava previsto participar este ano, mas acabei por decidir voltar, porque senti que as pessoas, tanto cá em Portugal como nos Estados Unidos, queriam muito que eu estivesse presente, e achei que devia corresponder. Seguramente, vai ser um dos meus grandes momentos do ano", afirmou Carlos Sá, em declarações à agência Lusa.

A Badwater é considerada uma das ultramaratonas mais difíceis do Mundo, contemplando um percurso de 135 milhas (217 quilómetros). Disputada na zona do Vale da Morte, na Califórnia, a corrida inicia-se na baía de Badwater (86 metros abaixo do nível do mar) e termina no monte Whitney (4.421 metros de altitude), os pontos mais alto e mais baixo do território norte-americano. "Com a Badwater, fechei o meu calendário para 2014. Depois, vou participar no Ultra Trail du Mont Blanc (168 quilómetros nos Alpes, entre 29 e 31 de agosto), na Jungle Marathon (254 quilómetros, entre 05 e 11 de outubro, na Amazónia) e nos Mundiais de ultramaratona (24 horas, em Taiwan). Espero que seja um ano tão bom ou melhor do que o de 2013", referiu Carlos Sá.

O ultramaratonista natural de Vilar do Monte, em Barcelos, reconheceu a dificuldade de estabelecer um objetivo concreto para a Badwater, mas assumiu a ambição de conseguir um lugar no pódio. "É difícil prever qualquer resultado para uma prova de 217 quilómetros e que é disputada em condições climatéricas tão adversas. A minha preparação começa com algum atraso, porque estou só a três semanas da corrida, mas já estou a realizar trabalho específico e estou confiante de que a experiência que adquiri no ano passado pode servir para atenuar alguma falta de preparação. Vou com a expetativa de conseguir um lugar entre os três primeiros. Acabar uma prova destas já é uma vitória e se eu conseguisse vencer novamente era ouro sobre azul", explicou.

Em julho de 2013, Carlos Sá concluiu os 217 quilómetros da Badwater em 24:38.16 horas, seguido do australiano Grant Maughan a 15,01 minutos e do mexicano Oswaldo Lopez a 48,47. Em abril último, Carlos Sá foi o melhor não africano na 29.ª edição da Maratona das Areias, ao repetir o quarto lugar de 2012, na ultramaratona por etapas disputada no deserto do Saara, em Marrocos. Segundo o próprio, este resultado provou que já tinha debelado os problemas físicos que o afetaram no início do ano, tendo, desde então "treinado em crescendo, sem muita carga, nem muitas provas". O ultramaratonista luso assumiu-se "culpado" pela crescente adesão às corridas de montanha e aos "trails" em Portugal. "Sem dúvida, mas isso acontece e aconteceu em muitas modalidades, como foi o caso da 'explosão' do montanhismo, com o destaque obtido pelo João Garcia, e até nas modalidades técnicas do atletismo, com os sucessos do Nelson Évora e da Naide Gomes. Ou seja, sempre que há campeões, a população é alertada para estas modalidades, acabam por experimentar e gostam, porque percebem que as ajudam a sentirem-se felizes. Eu sinto essa responsabilidade, por isso apadrinho muitas provas e organizo outras, para que as pessoas tenham oportunidade de conhecer as corridas em natureza, que são o desporto que mais cresce no Mundo e isso é fantástico", rematou Carlos Sá.


lusa