Deserto do Saara poderá ser duas vezes mais velho do que pensávamos (com FOTOS)


O deserto do Saara pode ter-se formado há sete milhões de anos e não há três milhões, como até agora se pensava, segundo uma pesquisa liderada pelo Bjerknes Centre for Climate Research em Bergen, na Noruega.

A investigação teve como base dunas do Chade, que fazem parte deste deserto e terão cerca de sete milhões de anos. Novas simulações explicam que o encolhimento de uma massa de água chamada Mar de Tétis poderá ter enfraquecido as monções de Verão africanas, o que levou à desertificação do Norte de África numa época anterior à que se pensava.

A investigação foi publicada no jornal Nature, tem como co-autor o paleoclimatologista Zhongshi Zhang e avança que o inicio das regiões secas do norte de África deu-se há oito milhões de anos.

“Estas mudanças climatéricas importantes provavelmente causaram as mudanças na fauna e flora africana e asiática, por volta do mesmo período”, explicou o co-autor do relatório.

Hoje, o deserto do Saara é um dos maiores desertos do mundo e cobre cerca de 10% do continente africano – nove milhões de quilómetros quadrados. O deserto passa por vários países, incluindo a Argélia, Chade, Egipto e Sudão.

Cerca de um quarto do deserto é feito de dunas, com algumas delas a chegarem aos 150 metros de altura. Veja algumas fotos do deserto, nas suas mais conhecidas – mas também insólitas -paisagens.





















Foto: Celso FLORES / mtsrs / Christopher L. / wonker / Jon Rawlinson / Francesco Sgroi / Michał Huniewicz / McKay Savage / Robert Linsdell / charles.bukowsky / Creative Commons
Greensavers