Internacional desvaloriza confronto entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi.

O internacional português Ricardo Quaresma rejeitou este domingo o papel de 'arma secreta' da seleção nacional de futebol e desvalorizou o confronto entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi, no particular de terça-feira, com a Argentina.


Apesar de ter estado em evidência nos encontros de qualificação para o Euro 2016, com a Dinamarca e a Arménia, participando de forma direta nos golos portugueses, após sair do banco, o extremo disse não se considerar uma 'arma secreta'.

"Não me considero uma arma secreta. Sou mais um jogador que trabalha muito para ajudar a seleção. As coisas estão a correr bem e espero que continue assim", afirmou o extremo, em conferência de imprensa, poucas horas antes da partida para Manchester, em Inglaterra, onde a seleção nacional vai defrontar a vice-campeã do Mundo em título.

De resto, Quaresma destacou a confiança demonstrada pelo selecionador Fernando Santos nas suas capacidades, sublinhando que "por muita qualidade que se tenha, se não houver confiança da equipa técnica, é difícil jogar".

Já no que diz respeito ao jogo diante da Argentina, o extremo desvalorizou o confronto entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi. "Estamos habituados a isso. O Cristiano é o melhor do Mundo e o outro (Messi) está atrás dele. Ficamos à parte dessa situação e estamos habituados a essa 'guerra' entre o Cristiano e o Messi".

Por seu lado, também o médio João Mário deixou o embate entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi para segundo plano, considerando que a partida no 'Teatro dos Sonhos' será "sobretudo entre Portugal e Argentina". "É um bom jogo, com um bom adversário, mas é sobretudo Portugal contra a Argentina e não tanto Ronaldo contra Messi. É um jogo de preparação para nós, que vai servir para a equipa crescer e continuar a preparar a qualificação para o Europeu de 2016", referiu.


lusa