Fabricante não conta vender mais de 700 carros nos primeiros anos de comercialização.
Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         a.jpg
Visualizações:	4
Tamanho: 	48,2 KB
ID:      	135791Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aa.jpg
Visualizações:	4
Tamanho: 	64,9 KB
ID:      	135792Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aaa.jpg
Visualizações:	4
Tamanho: 	56,8 KB
ID:      	135793Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aaaa.jpg
Visualizações:	5
Tamanho: 	60,4 KB
ID:      	135794

O vice-presidente da Toyota Mitsuhisa Kato na apresentação do MiraiYUYA SHINO/REUTERS

A Toyota apresentou um modelo de automóvel que usa hidrogénio como combustível, com o qual a fabricante japonesa tentará apelar aos consumidores com preocupações ambientais e reproduzir o sucesso do híbrido Prius

Chamado Mirai — a palavra japonesa para “futuro” —, o novo modelo será posto à venda em quatro cidades no Japão em Dezembro, onde o Governo vai apoiar a compra deste tipo de veículos. Deverá chegar em Setembro do próximo ano a alguns países europeus (entre os quais não está Portugal) e em Dezembro aos EUA.

O Mirai recorre àquilo que se chama uma célula de combustível, que converte o hidrogénio (um elemento abundante na natureza e que pode ser extraído da água) em energia eléctrica. O carro emite apenas vapor de água pelo escape. De acordo com a empresa, o abastecimento é feito em três minutos e a autonomia é semelhante à de um automóvel que use combustível convencional.

No mercado europeu, o Mirai estará à venda no Reino Unido, na Dinamarca e na Alemanha — neste país, o Mirai custará 66 mil euros, mais IVA. As expectativas de venda da Toyota são modestas, até porque o sucesso comercial dependerá da extensão da rede de abastecimento. No conjunto daqueles três mercados, a Toyota estima vender 50 a 100 carros entre 2015 e 2016. Em todo o mundo, a empresa conta vender 700 carros.

A Toyota tem planos para levar o Mirai a outros países a partir de 2017.

In:PÚBLICO 18/11/2014