Antirretroviral apresentado na segunda-feira nos EUA pode prevenir infeção em 86%. Especialistas exigem o seu uso na Europa
Se for tomado antes e depois de uma relação sexual, o antirretroviral Truvada reduz em 86 por cento o risco de infeção com o vírus VIH, de acordo com uma pesquisa (Ipergay) que avaliou uma nova forma de tomar o medicamento, apresentada anteontem nos Estados Unidos. Após a divulgação das conclusões, dezenas de organizações manifestaram-se, pedindo aos vários decisores europeus que aprovem a utilização do medicamento como forma de prevenção do vírus na Euro-pa, onde apenas é usado em contexto clínico.



Nos últimos anos, o Truvada tem vindo a ser alvo de vários estudos, sendo a grande novidade desta pesquisa, apresentada na Conferência sobre Retrovírus e Infeções Oportunistas (CROI), a proteção oferecida pelo medicamento no momento das relações sexuais entre homens. De acordo com a Agência francesa de pesquisa sobre a sida (ANRS), a investigação mostra que, tomado desta forma, o medicamento é tão eficaz como se for tomado diariamente.

A nível nacional, o GAT (Grupo Português de Ativistas sobre Tratamentos de VIH/sida) foi uma das dez organizações que subscreveram o manifesto dirigido anteontem a várias entidades europeias e nacionais.



dn