Os Bombeiros Voluntários de Guimarães salvaram a vida de um cão que estava ferido, após ter caído a um poço de cerca de 20 metros de profundidade. O resgate aconteceu esta sexta-feira de manhã, num terreno situado na Rua D. Maria da freguesia de Azurém.
A história começa com o ladrar do cão que foi ouvido por quatro populares nas imediações do poço. Apercebendo-se de que o animal gania por ajuda, chamaram os bombeiros. O alerta foi dado pelas 10.30 horas e, chegados ao local, os bombeiros procederam a uma operação delicada.

"Nós nem conseguíamos ver o cão porque aquilo era um poço com mina", descreve Luís Martins, um dos três bombeiros que participou na operação. O "soldado da paz" adianta que o resgate consistiu em fazer "ponto de amarração numa árvore", um dos bombeiros desceu, amarrou o cão numa fralda e içaram o animal.

Quando chegou à superfície, o animal "estava muito agitado" e "começou a lamber as mãos de toda a gente", quase em jeito de agradecimento, acrescenta Luís. Entretanto, um dos habitantes de Azurém prontificou-se a adotar o cão, mas não sem antes o levar ao veterinário para tratar dos ferimentos que tinha no focinho, resultantes da queda.

A corporação de Guimarães é perita em resgates de "grande ângulo" pois, para além do corpo de elementos, também tem um formador da Escola Nacional de Bombeiros, adjunto de comando da corporação. Bento Marques, comandante, explica que este tipo de formação "é uma mais-valia" e "pode ser útil em muitas situações". Como exemplo, o comandante recorda o resgate em altura de 28 pessoas do Teleférico de Guimarães, ocorrido em abril de 2011.

IN:JN