Em um beijo são trocadas aproximadamente 250 bactérias e, por isso, beijar na boca pode ser um veículo importante de transmissão de doenças como gripe, hepatite, tuberculose, herpes labial e, em determinadas situações, a sífilis ou a AIDS, se houver feridas ou cortes na boca.

Porém, o beijo também pode funcionar como uma forma de vacinação natural, pois, por exemplo, ao beijar seu filho recém-nascido, uma mãe transmite de forma diluída e progressiva seus germes promovendo uma reação das defesas do organismo do bebê, que o ajuda a desenvolver anticorpos e defesas naturais contra algumas doenças.