Caso vai ser julgado a 13 de novembro. Jornalista quer que cada infração seja punida com uma coima de 200 mil euros.




Fernanda Câncio avançou com uma ação no Tribunal Cível de Lisboa de forma a impedir que vários órgãos de comunicação social noticiem, no âmbito da Operação Marquês, aspetos que a ligam a José Sócrates.



A jornalista considera que a queda do segredo de justiça levará ao aumento do número de publicações relacionadas com José Sócrates. E que, devido ao seu “relacionamento pessoal” com o arguido, se possa também tornar notícia.
Desta feita, moveu uma ação contra Sol, o i, o Correio da Manhã, as revistas Sábado e Flash! e a CMTV, pedindo que cada infração seja punida com uma coima de 200 mil euros. O julgamento está marcado para 13 de novembro.
De acordo com o Sol, Fernanda Câncio pretende que estes media sejam “proibidos de noticiarem quaisquer factos respeitantes ao relacionamento pessoal com José Sócrates, de que não resulte qualquer relevância penal, e cujo registo se encontre nos autos de qualquer processo judicial por força de terem sido determinadas interceções telefónicas aos seus telefones ou de José Sócrates por decisão judicial, bem como cartas, emails, mensagens de telemóvel, fotografias e/ou filmes, autos de vigilância e conversas telefónicas”.
Desta forma, a jornalista defendida pelo advogado Tiago Rodrigues Bastos tenta proteger os seus direitos de personalidade, provando – através da cópia de notícias publicadas no último ano – em que já foi “apelidada de ‘namorada’ ou ‘ex-namorada’”, o que considera “achincalhante e desprimoroso”, além de um “desrespeito pela sua vida privada”.



nm