Nos dias que correm já toda a gente deve ter ouvido falar do phishing ou dos esquemas na Internet, desenvolvidos por burlões, para aceder às contas bancárias indevidamente.


créditos: Paulo M. Guerrinha

Um descuido serve para abrir a sua conta a desconhecidos podendo, no pior dos cenários, ficar sem dinheiro.

Por isso, uma das principais regras será manter um controlo apertado de todos os movimentos da conta e alertar o gestor quando verificar alguma inconsistência.


Há regras básicas a seguir para evitar cair nesta malha sendo, a principal, nunca fornecer os seus dados de acesso (utilizador, password) ou fornecer coordenadas do cartão matriz por email ou qualquer outra via que não seja nos locais específicos do site do banco.


Isto porque, para prevenir qualquer tipo de tentativa de fraude, as entidades bancárias nunca pedem estes dados aos seus clientes por estes meios.


Além disso, quando estiver a aceder à sua conta através do site do banco, se notar alguma anomalia, contacte de imediato o serviço de apoio.

Desta forma, se houver alguma tentativa de fraude, o banco pode atuar antes de acederem indevidamente com os seus dados.


Quando, por exemplo, estiver a realizar uma operação no site, se der um erro, ou não conseguir efetuar a operação quando estão a navegar no site a efetuar as suas consultas ou operações, certifique-se que quando voltar ao site está no endereço correto e não foi reencaminhado para outro local, através de software malicioso.

Os dados de acesso ao site do banco e o cartão matriz devem ser guardados e mantidos em local seguro.

Em grande parte dos casos relatados por clientes que foram alvo de fraude, existe um erro no site, no momento da inserção dos dados de acesso ou outras operações. Isto serve apenas para que o software malicioso tenha tempo para se ativar e guardar os dados quando os volta a inserir.

Além disso, vale a pena recordar o recente estudo da Kaspersky que revela que 76% dos internautas não sabem distinguir páginas autênticas de páginas de phishing.


Os dados recolhidos em 18 mil pessoas de vários países, entre os quais Portugal, mostra ainda que 19% desactivariam o antivírus se impedisse a instalação de um programa e 46% não se consideram sequer um alvo de cibercrimes.


Por isso, de forma a manter os seus dados seguros, certifique-se que segue algumas regras básicas:


1 – Mantenha os seus dados de acesso em local seguro e não os partilhe com ninguém. (Não esqueça que um namorado/a, filho/a, ou alguém com acesso a sua casa pode decidir entrar na sua conta).


2 – Se notar alguma anomalia ao aceder ao site do seu banco na Internet, entre de imediato em contacto com a linha de apoio para obter indicações de como agir.


3 – Mantenha um controlo regular nos movimentos da sua conta.


4 – Se suspeitar que o seu cartão matriz foi visto por alguém, ou se o perdeu, cancele-o e peça ao seu banco para o substituir.


5 – Nunca responda a emails, alegadamente do seu banco, onde sejam pedidos os dados de acesso ou qualquer outra tipo de dado pessoal.
Os bancos nunca fazem isso.


6 – Se optar por utilizar aplicações para o seu smartphone, assegure-se que esta a utilizar uma aplicação oficial.


7 – A segurança da sua conta não passa apenas pelo online.
Mantenha os seus cartões consigo e avise o seu banco se detectar movimentos suspeitos.


8 – Evite aceder à sua conta através de computadores públicos.


9 – Quando se ligar através de redes de wifi públicas, assegure que acede a uma rede segura.
As redes que estão abertas, sem necessidade de password, estão mais vulneráveis.


10 – Mantenha o antivírus actualizado.

Fonte