A maior parte dos candidatos à Presidência da República preencheu a sua declaração de rendimentos com falhas.







Cândido Ferreira é o candidato à Presidência com mais posses. Soma 2,936 milhões de euros em 30 aplicações em bancos e seguradoras e 15 imóveis com um valor patrimonial de pelo menos 2,668 milhões de euros




Além deste património, o médico e antigo presidente da distrital do PS de Leiria diz ao Tribunal Constitucional que em 2014 ganhou 94.294 euros e que mantém 910 ações do Benfica, 30% dos 500 mil euros do capital da Pombaldeal e 1.275 ações da empresa Carvalhal da Urra.
Segundo o Púbico, que analisou as declarações de rendimentos, património e cargos sociais dos candidatos – a maioria delas apresentando falhas - Cândido Ferreira pode ser o mais rico, mas Marcelo foi quem recebeu melhor.
Marcelo Rebelo de Sousa ganhou cerca de 385 mil euros brutos em 2014 mas não declara património para lá das poupanças bancárias (384 mil euros no BCP, BPI e Novo Banco).
Henrique Neto tem 1,3 milhões de euros no BCP, Novo Banco, BPI, Deutsche Bank e no suíço UBS Zurich, 15 imóveis, um Mercedes e um barco.
Sampaio da Nóvoa declarou rendimentos de perto de 130 mil euros referentes a 2014, além de terrenos, contas bancárias, certificados de aforro e um carro que diz herdados.
“Nenhum cargo social dos que exerço é remunerado”, escreveu Maria de Belém, que declara apartamentos, uma quinta e um terreno, rendimentos de 60.601 euros em 2014, dois carros, 70.408 euros em contas à ordem e 134 mil euros em aplicações financeiras.
Jorge Sequeira diz ter ganho 36 mil euros em 2014 e ter aberto no ano passado um total de 111.752 euros em contas à ordem e a prazo no Montepio. Declara ainda poupanças de 45.640 euros e investimentos de mais 41.328 euros.
Paulo de Morais declarou rendimentos de 57.579 euros, mas nenhuma conta bancária ou aplicações financeiras de valor superior a 25.250 euros.
Edgar Silva diz apenas na sua declaração que que ganhou 46.098 euros enquanto deputado pela CDU na Assembleia Regional da Madeira, em 2014.
Marisa Matias declara ser coproprietária da casa onde reside, ter recebido 97.392,24 euros de como eurodeputada em 2014 e ter aplicações no valor total de 28.875 euros.
Vitorino Silva escreveu apenas o seu NIB no local onde devia ter descrito o montante possuído numa conta à ordem, instituição, número de conta e a data de abertura. Declara que em 2014 recebeu 17.460,19 euros a que se somam 278 euros de rendimentos comerciais e industrias e 1.440 euros de prediais.


nm