Lisa Salberg sofria de uma doença no coração chamada de cardiomiopatia hipertrófica.

Durante décadas Lisa Salberg, de 48 anos, sofreu de cardiomiopatia hipertrófica. Uma doença no coração de origem genética e que se caracteriza pelo engrossamento do miocárdio (o músculo do coração), o que faz com que seja mais difícil o coração conseguir bombear o sangue





Aos 12 anos foi-lhe diagnosticada a condição, aos 21 teve um AVC e até agora foi submetida a várias operações para tentar preservar o órgão. Contudo, quando o coração começou a falhar, os médicos disseram que era urgente Lisa fazer um transplante.

Assim, depois de ter esperado numa lista de doadores, Lisa recebeu finalmente um novo coração no Centro Médico Newark Beth Israel, em Nova Jérsia.

Mas antes de ter feito a operação, a mulher lutadora pediu à sua médica que salvasse o seu coração defeituoso. Quatro dias depois, a paciente agarrou-o. “Nunca tive ninguém que me pedisse isto. A primeira coisa que pensei foi que era muito bonito ela querer fazer isto”,explicou à ABC a médica Margarita Camacho.

“Fiquei espantada pela sua densidade e peso. Era mesmo muito muito pesado”, contou Salberg, reiterando que foi “bom ter dito adeus ao seu órgão”.



Salberg tem sido uma forte defensora de investigações sobre doenças cardíacas e criou a Associação da Cardiomiopatia Hipertrófica depois de a sua irmã ter morrido por causa da mesma condição.


IN:NM