A Deco aplaudiu a posição do Parlamento Europeu sobre a necessidade de os consumidores europeus afetados pelo escândalo da manipulação de gases da alemã Volkswagen serem compensados, tal como aconteceu nos Estados Unidos.

Redação, 04 abr (Lusa) - A Deco aplaudiu a posição do Parlamento Europeu sobre a necessidade de os consumidores europeus afetados pelo escândalo da manipulação de gases da alemã Volkswagen (VW) serem compensados, tal como aconteceu nos Estados Unidos (EUA).

"O Parlamento Europeu defendeu, esta terça-feira, que os consumidores enganados devem ser indemnizados. A Deco Proteste vê, assim, reforçada, uma vez mais, a defesa intransigente de um tratamento igual entre consumidores europeus e americanos", lê-se no comunicado da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco).

Na mesma nota, a associação destaca que "enquanto, nos EUA, a Volkswagen já destinou, pelo menos, 10 mil milhões de dólares para compensar os consumidores que enganou, na Europa continuamos a aguardar por uma decisão equivalente da marca alemã", realçou.

A campanha www.querojustica.pt é a face visível mais recente da luta da Deco Proteste e de outras organizações europeias de defesa dos consumidores, como a Altroconsumo (Itália), OCU (Espanha) e Test'Achats (Bélgica) por um tratamento igual dos consumidores afetados pela manipulação fraudulenta de emissões.

"Exigimos, ainda, e em linha com outras decisões que o Parlamento Europeu tomou hoje, que seja definida uma nova regulamentação para o sistema de aprovação de veículos e vigilância do mercado. Este é o segundo eixo da campanha www.querojustica.pt, reivindicando a publicação dos valores reais das emissões e um controlo mais efetivo da indústria automóvel", acrescentou a Deco.

O Parlamento Europeu aprovou, em Estrasburgo, o reforço da fiscalização ao setor automóvel, aumentando a qualidade e a independência dos ensaios efetuados aos veículos novos e melhorando a supervisão dos já em circulação.

O Parlamento Europeu defendeu ainda que os consumidores europeus afetados pelo escândalo devem ser adequada e financeiramente compensados pelos fabricantes de automóveis implicados.

IN:JN