Os cientistas encontraram evidências de que no próximo ano haverá um forte aumento no número de grandes sismos em todo o mundo. A rotação da Terra, tal como outros fatores naturais, é cíclica, abrandando por alguns milissegundos por dia e acelerando novamente.


Segundo os geofísicos, a velocidade de rotação da Terra é influenciada pela atividade existente nas profundezas do planeta e isso poderá estar sincronizado com a atividade sísmica.



O Planeta Terra está a abrandar milissegundos

Os geofísicos são capazes de medir a velocidade da rotação da Terra de forma extremamente precisa, calculando pequenas variações na ordem dos milissegundos. Agora, os cientistas acreditam que uma desaceleração da rotação da Terra é o vínculo com um aumento cíclico observado nos terremotos.


Para começar, a equipa de investigação de geólogos analisou cada sismo ocorrido desde 1900 numa magnitude igual ou superior a 7 na escala de Richter. Os investigadores procuravam tendências na ocorrência de grandes terremotos. O que eles descobriram é que, quase todos os 32 anos, houve um aumento no número de terremotos significativos em todo o mundo.

A equipa ficou intrigada quanto à raiz de causalidade dessa ciclicidade na taxa de terremotos. Compararam-no com uma série de conjuntos de dados históricos globais e encontraram apenas um que mostrou uma forte correlação com o aumento nos terremotos. Essa correlação foi com a desaceleração da rotação da Terra. Especificamente, a equipa observou que, em torno de cada 25-30 anos, a rotação da Terra começou a diminuir a velocidade e essa desaceleração aconteceu logo antes do aumento nos terremotos. A desaceleração da rotação historicamente durou 5 anos, com o último ano a desencadear um aumento nos terremotos.

Para adicionar um toque interessante à história, 2017 foi o quarto ano consecutivo em que a rotação da Terra diminuiu. É por isso que a equipa de investigação acredita que podemos esperar mais terremotos em 2018, é a última desaceleração de 5 anos na rotação da Terra.




O que está a causar o abrandamento da rotação da Terra?

Tal como acontece com muitas descobertas novas na ciência, esta história começou com os dados que suportam a desaceleração cíclica, em seguida, aceleram a rotação da Terra. Para explicar esse fenómeno criou-se assim uma equipa de cientistas encarregada de descobrir o “porquê”. Embora não tenham certeza dos mecanismos que produzem essa variação, existem algumas hipóteses.


Uma hipótese envolve o núcleo externo da Terra, uma camada com 2.200 km de espessura composta por ferro e níquel em estado líquido. Essa camada circula por baixo do manto inferior sólido. Trata-se de material derretido que se mexe num padrão mais ou menos previsível.


Este é um movimento de grande magnitude que, para além de ser responsável por criar o campo magnético terrestre, tem poder suficiente para alterar o movimento de rotação do planeta, conseguindo quer acelerar, quer mesmo desacelerar em apenas um milissegundo. Esse abrandamento não é percetível para nós humanos, nem mesmo detetável pelos ponteiros dos nossos relógios, mas é detetável nos relógios atómicos. Julgam os geofísicos ser esse o tal fenómeno causador do abrandamento.


Abrandamento da rotação da Terra e aumento dos sismos

Poderá ter tudo a ver, mas nesta altura os dados apenas observam uma correlação marcante, mas nenhuma causalidade. Assim, os cientistas ainda não sabem se esta mudança na rotação da Terra é a causa de uma queda nos terremotos.


Embora não haja ligação direta entre os dois, a tendência ao longo do último século sugere que 2018 será um ano invulgarmente ativo para terremotos. Normalmente, haverá 15-20 grandes terremotos (M 7.0 ou superior). No entanto, durante o levantamento notável nos terremotos que alinham ao 5º ano da desaceleração da rotação da Terra, há em média 25-30 grandes terremotos.


Os terremotos continuam a ser o desastre natural mais difícil de prever. Tendem a ocorrer com pouco ou nenhum aviso prévio e, portanto, podem ser incrivelmente destrutivos. Muitas vezes, os geólogos estão limitados às tendências históricas dos dados para prever a probabilidade de um terremoto ocorrer. Esta nova pesquisa fornece outro conjunto de dados para informar as comunidades sobre os riscos a curto prazo que enfrentam.Via