Alguma vez viu um construtor automóvel a processar um país? Mas há motivos para isso. A Nissan é uma das marcas estrangeiras que se comprometeu a construir os automóveis que ia vender na Índia dentro do país, e para isso foram prometidos incentivos fiscais. A Nissan cumpriu a sua promessa, mas acusa o governo indiano de não fazer o mesmo.





De acordo com a Reuters, a Nissan comprometeu-se a construir uma fábrica em Chennai em 2008, em troca de incentivos fiscais concedidos pelo estado de Tamil Nadu, no valor de 50 mil milhões de rupias (cerca de 660 milhões de euros). O incentivo fiscal devia ter sido recebido em 2015, mas o governo estatal decidiu não pagar e não se justificou. Dois anos depois, e esgotada a via diplomática, a Nissan resolveu iniciar um processo judicial. A presença direta da Nissan na Índia deu origem a cerca de 40 mil empregos.





A Nissan não é das marcas mais vendidas na Índia, mas mesmo assim desenvolveu uma série de produtos adaptados ao mercado local, incluindo o Micra (cuja geração anterior foi exportada da Índia para a Europa), o Sunny (modelo de quatro portas derivado do Micra) e o Terrano (Dacia Duster com logótipo da Nissan). A Nissan também ressuscitou a marca Datsun na Índia, para modelos lowcost, como o Go (versão despida do Micra), Go Plus (monovolume construído sobre o chassis do Micra) e Redi-Go (citadino derivado do Renault Kwid, também desenvolvido na Índia).