Fundos de pensões: exigimos o fim das comissões de transferência

As comissões desincentivam a transferência para produtos mais vantajosos e prejudicam o aforrador. Queremos acabar com esta prática.









Tal como nos Planos Poupança-Reforma (PPR), os fundos de pensões cobram comissões se forem transferidos para outra entidade. A máxima, da Caixa Geral de Depósitos, chega aos 10 por cento. As comissões desincentivam a transferência para produtos mais vantajosos e prejudicam o aforrador. Vamos interpelar a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários e os grupos parlamentares para que a lei seja alterada.
A PROTESTE INVESTE analisou mais de 30 produtos e revela os fundos de pensões mais rentáveis. Nos fundos de pensões, existem os abertos, que podem ser subscritos por qualquer aforrador, e os fechados, que são de empresas ou grupos profissionais.
Quem já tem dinheiro aplicado em fundos abertos ganha se transferir para os melhores em cada categoria (fundos de pensões de capital garantido, moderados ou agressivos). Poderá também evitar a comissão de resgate mais elevada.

Segundo os nossos especialistas, parte significativa do investimento em fundos fechados é consumida por comissões de subscrição, gestão, resgate e transferência.

O estudo da PROTESTE INVESTE compara ainda a rentabilidade anual de vários produtos: fundos de pensões (com e sem capital garantido), Planos Poupança-Reforma (PPR, com e sem capital garantido) e carteira de ações PROTESTE INVESTE (base e agressiva). Conheça as alternativas em que compensa investir.

Deco