Muito se tem escrito sobre o problema que está a afetar os processadores de diversos fabricantes. A Intel foi a primeira a ser colocada em causa e é, por agora a face visível deste problema.

Depois de várias informações relativas à possível perda de performance, surge agora a confirmação da própria Microsoft de que os seus sistemas vão ser afetados pelas atualizações e vão ser abrandados.


A informação sobre o problema dos processadores tem sido veiculada de várias fontes, algumas delas contraditórias. Depois de ser avançado que iria mesmo haver perda de performance, esta ideia foi negada. A Microsoft fez testes e revelou agora os seus resultados, pela mão do seu Vice Presidente Executivo, Terry Myerson.
O comportamento do Windows 10 nos processadores atuais

A informação que a Microsoft lançou dá conta de que nos processadores mais recentes a perda de performance existe, mas será de tal forma pequena que não vai ser notada. Claro que isto será apenas nos processadores mais recentes e no Windows 10.

Com o Windows 10 em PCs e processadores mais novos (PCs da era 2016 com Skylake, Kabylake ou CPUs mais recentes), os benchmarks mostram uma desaceleração de um dígito, mas não esperamos que a maioria dos utilizadores perceba qualquer alteração porque essas percentagens são refletidas em milissegundos.


Com o Windows 10 em PCs e processadores mais antigo (PC 2015 com Haswell ou CPUs mais antigos), alguns benchmarks mostram desacelerações mais significativas e esperamos que alguns utilizadores notem uma diminuição no desempenho do sistema.


Máquinas mais antigas, mesmo que no Windows 10 vão ter uma perda ainda maior, que poderá ser notada.

O problema da Microsoft nas versões mais antigas do Windows

O problema maior, segundo as palavras de Terry Myerson, está mesmo nos sistemas operativos mais antigos da Microsoft. Aqui sim, vão existir abrandamentos, mas por culpa da forma como o Windows está desenhado, concentrando no kernel algumas funções que deveriam estar fora deste.

Com o Windows 8 e o Windows 7 em processadores mais antigo (computadores da era 2015 com Haswell ou CPUs mais antigos), esperamos que a maioria dos utilizadores perceba uma diminuição no desempenho do sistema.


As versões mais antigas do Windows têm um impacto de desempenho maior porque o Windows 7 e o Windows 8 têm mais transições de kernel causas de decisões de design herdado, como todas as renderizações de fontes que ocorrem no kernel


As correções para as falhas Meltdown e Spectre estão já a ser distribuídas, ainda que com problemas no Windows, sendo por isso esperado que estas perdas de performance comecem já a ser sentidas e sem que possam ser corrigidas.