A Comissão Europeia apresentou hoje um projeto para a construção de uma infraestrutura europeia de computação de alto desempenho. O plano supõe um investimento conjunto dos Estados-membros de mil milhões de euros e a compra de dois supercomputadores.



A ideia de aumentar a capacidade de computação europeia já é antiga e está integrada com a estratégia digital, sendo o objetivo aplicar os supercomputadores ao desenvolvimento científico nas áreas da Saúde, Segurança e Ambiente, entre outras.

Para implementar a estratégia vai ser criada a EuroHPC, uma joint venture que materializa uma nova estrutura jurídica e de financiamento a quem caberá a função de adquirir, desenvolver e implantar em toda a Europa uma infraestrutura de computação de alto desempenho (HPC) e de craveira mundial, segundo um comunicado hoje divulgado.

Para além disso, apoiará um programa de investigação e inovação para o desenvolvimento de tecnologias e máquinas (equipamento informático), bem como de aplicações (suporte lógico) que possam funcionar nesses supercomputadores.

A Comissão justifica este plano com o facto de, atualmente, a capacidade de computação disponível na União Europeia (UE) não ser suficiente para satisfazer as suas necessidades de cálculo e, por isso, o tratamento de dados é feito fora da UE, comprometendo a privacidade, a proteção e propriedade dos dados e os segredos comerciais.

"Nenhum país, nenhuma universidade, nenhuma empresa, conseguiriam sozinhos o que nós hoje estamos a fazer", disse, em conferência de imprensa, o comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, defendendo que “os supercomputadores vão revolucionar a aprendizagem automática, o dito 'machine learning', e essa aprendizagem vai revolucionar a própria ciência”.

No âmbito do atual Quadro Financeiro Plurianual, a contribuição da UE para a EuroHPC será de cerca de 486 milhões de euros, valor ao qual serão somadas as contribuições dos Estados-membros e de países associados, num montante total semelhante.

No total e até 2020, o investimento público será de cerca de mil milhões de euros, juntando-se contribuições em espécie das entidades privadas participantes na iniciativa.

O investimento será feito na aquisição e utilização de duas máquinas com desempenhos pré-exaescala (100 mil biliões de operações por segundo) de craveira mundial e de, pelo menos, duas máquinas de supercomputação intermédias (capazes de efetuar cerca de 1016 operações por segundo), assim como na concessão e gestão do acesso de um largo espetro de utilizadores públicos e privados a estes supercomputadores a partir de 2020.

A empresa EuroHPC, que estará ativa de 2019 a 2026, também irá apoiar o desenvolvimento de tecnologias europeias de supercomputação, incluindo a primeira geração europeia de tecnologia de microprocessadores de baixo consumo energético, a conceção colaborativa de máquinas à exaescala (um trilião de operações por segundo) europeias, e o desenvolvimento de competências e de uma utilização mais ampla da HPC.

A EuroHPC é propriedade conjunta dos seus membros que, numa primeira fase são os países signatários da Declaração EuroHPC, uma lista que inclui Portugal, e os membros privados das universidades e da indústria, sendo por estes gerida.

A qualquer momento poderão aderir a esta iniciativa outros membros, mediante contribuição financeira.