Algumas mulheres estão a experienciar orgasmos durante a prática de exercício físico. O chamado ‘coregasm’ foi cunhado pela primeira vez em 1953. O clímax resulta sobretudo do treino intenso do core, ou seja, do trabalho realizado nos músculos abdominais.



Até que chegue o dia em que de facto nos paguem para ir ao ginásio, muitos de nós vamos continuar a baldar-nos aos treinos intensivos e às aulas que nos cometemos a praticar na passagem de ano.

Porém, apesar do esforço, do suor e até das lágrimas que tentar alcançar a boa forma física pode provocar, foi detetado um fenómeno, no mínimo surpreendente, que pode motivar os mais preguiçosos como nada antes conseguiu... Algumas mulheres estão a experienciar orgasmos durante a prática de exercício físico.

Orgasmos chamados especificamente de ‘coregasms’, ou seja que acontecem predominantemente após exercícios de alta intensidade do core, que treinam a área dos abdominais. O ‘coregasm’ também se pode dar durante a corrida ou quando se pratica musculação, apesar de ser menos predominante nessas atividades.

Segundo, a ciência o êxtase repentino dá-se devido à libertação de endorfinas durante o exercício – hormonas naturais produzidas pelo corpo que ajudam a aliviar o stress e a aumentar o prazer.

Já em 2015, Debby Herbenick, sexóloga, investigadora e colaboradora da revista Men’s Health americana concluiu num estudo que 10% dos indivíduos chegam ao clímax depois de um treino intenso do core. Mais diretamente: 1 em cada 10 pessoas – incluindo mulheres e homens – têm orgasmos no ginásio, que ocorrem durante treinos de alta intensidade.

Este tipo de orgasmo pode durar horas, e as contrações podem fazer-se sentir no abdómen e no interior das coxas.

Os ‘coregasms’ foram identificados pela primeira vez em 1953, pelo sexólogo norte-americano Alfred Kinsey. No livro da sua autoria ‘Sexual Behavior in the Human Female’, de 1954, Kinsey já mencionava que 5% das mulheres admitiam ter orgasmos durante a prática de exercício.
Até que chegue o dia em que de facto nos paguem para ir ao ginásio, muitos de nós vamos continuar a baldar-nos aos treinos intensivos e às aulas que nos cometemos a praticar na passagem de ano.

Porém, apesar do esforço, do suor e até das lágrimas que tentar alcançar a boa forma física pode provocar, foi detetado um fenómeno, no mínimo surpreendente, que pode motivar os mais preguiçosos como nada antes conseguiu... Algumas mulheres estão a experienciar orgasmos durante a prática de exercício físico.

Orgasmos chamados especificamente de ‘coregasms’, ou seja que acontecem predominantemente após exercícios de alta intensidade do core, que treinam a área dos abdominais. O ‘coregasm’ também se pode dar durante a corrida ou quando se pratica musculação, apesar de ser menos predominante nessas atividades.

Segundo, a ciência o êxtase repentino dá-se devido à libertação de endorfinas durante o exercício – hormonas naturais produzidas pelo corpo que ajudam a aliviar o stress e a aumentar o prazer.

Já em 2015, Debby Herbenick, sexóloga, investigadora e colaboradora da revista Men’s Health americana concluiu num estudo que 10% dos indivíduos chegam ao clímax depois de um treino intenso do core. Mais diretamente: 1 em cada 10 pessoas – incluindo mulheres e homens – têm orgasmos no ginásio, que ocorrem durante treinos de alta intensidade.

Este tipo de orgasmo pode durar horas, e as contrações podem fazer-se sentir no abdómen e no interior das coxas.

Os ‘coregasms’ foram identificados pela primeira vez em 1953, pelo sexólogo norte-americano Alfred Kinsey. No livro da sua autoria ‘Sexual Behavior in the Human Female’, de 1954, Kinsey já mencionava que 5% das mulheres admitiam ter orgasmos durante a prática de exercício.

Então é desta que se vai inscrever no ginásio?


IN:NM