O Data Center da Covilhã foi mapeado para armazenar dados de radiotelescópio gigante. O Square Kilometre Array (SKA) será o maior radiotelescópio do mundo, e será capaz de produzir, ao nível mundial, mais informação por segundo do que toda a internet.









O Pplware já tinha informado que o DataCenter da Covilhã, que pertence à Altice, tinha sido o escolhido para armazenar os dados do maior radiotelescópio do mundo. Atualmente o Data Center da Altice na Covilhã tem mais de 300 colaboradores, é o maior centro de processamento de dados em Portugal e um dos dez maiores do mundo. O facto de ser elencado para o projeto SKA é mais uma prova do seu reconhecimento internacional.



A participação portuguesa no desenvolvimento do SKA é composta por um consórcio que junta o Instituto de Telecomunicações (IT-Aveiro), o Instituto Politécnico de Beja e as universidades de Aveiro, Porto e Évora, através da Infraestrutura ENGAGE SKA, pelo IT-Aveiro e pela Universidade de Aveiro.



Em declarações ao Pplware, o Presidente Executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, referiu que…



A Altice Portugal está empenhada em integrar este projeto. O facto de o Data Center da Covilhã ter sido mapeado como a infraestrutura portuguesa para armazenar e processar os dados do maior radiotelescópio do mundo, é algo que muito nos orgulha e que nos dá a certeza de estarmos a caminhar no sentido certo: do progresso, da inovação, da tecnologia de última geração.



Ainda na semana passada, anunciamos mais um investimento de 4 milhões de euros neste Data Center num processo de continuado reforço desta infraestrutura. Além de o Data Center da Covilhã dispor de todas as condições para armazenar e processar os dados do projeto SKA, este projeto enquadra-se ainda no trabalho científico e de desenvolvimento de tecnologia que a Altice realiza em Portugal. Mais, o progresso tecnológico levado às populações e o desenvolvimento na área das energias renováveis estão plenamente alinhados com os nossos pilares de inovação e integração.



A Altice Portugal considera ainda que este é um reconhecimento internacional da capacidade única no nosso país do Data Center da Covilhã e espera poder contribuir para este avanço tecnológico com a formalização breve do acordo para ser a infraestrutura portuguesa de armazenamento de dados



Projeto SKA

O projeto SKA visa criar uma infraestrutura científica que, através da recolha de ondas rádio, permitirá estudar as origens do Universo, sinalizar buracos negros e procurar civilizações fora da Terra. Vai ainda promover desenvolvimentos tecnológicos em áreas de impacto social, como a distribuição e o processamento de grande volume de dados de alta velocidade e o recurso à geração, armazenamento e distribuição de energias renováveis.






O projeto, que também quer levar a energia elétrica e a internet a milhões de pessoas em África, produzirá dados digitais na África do Sul e Austrália que serão depois exportados e armazenados na Europa, sendo que a fatia que pode caber a Portugal é de 1%, valor que, ainda assim, é bastante significativo, já que estão em causa, ao nível da Europa, 300 petabytes, ou seja, aproximadamente três vezes o volume de dados produzido pela Google ou o equivalente aos gerados pelos aceleradores de partículas do CERN (Organização Europeia de Pesquisa Nuclear) em Genebra.