Assinala-se esta quarta-feira, dia 14 de junho, o Dia Mundial do Dador de Sangue e, como tal, por todo o mundo há apelos à dádiva de sangue e eventos relacionados com esta temática.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 1% de doações de sangue seriam suficientes para atender às necessidades básicas do sistema de saúde de qualquer país. A mesma organização garante que todos os anos, as transfusões de sangue e componentes sanguíneos ajudam a salvar milhões de vidas e, em muitos casos, são essenciais para os cuidados maternos e infantis e em respostas de emergência de desastres naturais ou causados pelo ser humano.

Este ano, o tema da campanha da Organização Mundial de Saúde é: ‘Ajude outra pessoa. Doe Sangue. Compartilhe vida’. No vídeo, em inglês, são destacadas várias histórias reais de pessoas que sobreviveram graças a doações de sangue. A ideia é incentivar pessoas que já doam a continuarem a doar e fazer com que pessoas saudáveis, que nunca doaram sangue, comecem a fazê-lo.

Quanto a Portugal, o número de dadores de sangue tem vindo a descer. De acordo com o presidente do Instituto do Sangue, que deu esta quinta-feira, uma entrevista à RTP, há dois anos houve 218 mil dadores de sangue, menos 9 mil do que em 2015.

Para combater essa descida, por todo o país estão a ser organizadas colheitas de sangue.

A título de exemplo, durante o fim de semana, a freguesia de Cacia, em Aveiro, vai ser palco de um evento para encorajar a esta dádiva.

O evento é organizado pela Associação de Dadores de Sangue do Concelho de Aveiro (ADASCA) e vai contar com várias atividades entre as quais uma exposição alusiva à dádiva de sangue, animação musical e uma sessão de colheitas de sangue.

Já em Coimbra, a sensibilização para esta dádiva decorre hoje no auditório do pólo do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

IN:NM