Sono. É este o ponto chave para uma vida sexual mais prazerosa para as mulheres, seja de meia idade ou mais jovens, aponta um estudo feito pela clínica Mayo.

A explicação não foi difícil de se apontar: dormir bem é essencial ao bom funcionamento de todo o organismo. “A falta de sono dificulta a concentração, além de outros fatores. Muita da atividade sexual parte do cérebro e por isso a falta de alerta e concentração no momento, pode explicar algumas destas descobertas”, aponta Juliana Kling, autora do estudo.

Tal descoberta teve origem na análise de dados a uma amostra composta por mais de 93.000 mulheres entre os 50 e os 79 anos, de entre as quais aquelas que dormiam menos de 7 horas apresentavam menos satisfação com a sua vida sexual.

A alargar a população a que esta teoria do sono-prazer sexual diz respeito, outro estudo em que se debruça o El Confidencial concluiu que nas mulheres mais jovens (o estudo foi feito com estudantes universitárias), o desejo sexual é maior após uma boa noite de sono.

Sem descurar uma vida mais saudável assim como bem estar a nível do organismo da mulher, o cruzamento dos dois estudos permite concluir que um bom sono garante uma melhor vida sexual.

Além da conclusão, o estudo abre também portas para novas questões, nomeadamente o estado da vida sexual de mulheres com problemas pneumáticos ou outros que atinjam o sono – aspetos não referidos em análise a tais problemas mas que pode vir a dar novas respostas e visões sobre o problema em questão.

Já no caso dos homens, o Health Site lembra o estudo publicado no Medical Science Monitor, que indica e justifica a relação entre sono e qualidade do esperma. É pois a constante privação do sono que diminui a qualidade do esperma, uma descoberta que se espera alertar para a relevância de uma boa noite de sono – tanto para o homem como para a mulher.

IN:NM