A anemia é o distúrbio de sangue mais comum em todo o mundo. Calcula-se que de 25% a 33% da população mundial sofra com a condição, que se carateriza pelo baixo nível de glóbulos vermelhos no sangue.



Para diagnosticar a anemia é necessário realizar um hemograma, o que envolve uma operação laboratorial e, por consequência, custos operacionais e de material.

Num estudo publicado na revista científica Nature Communications nesta terça-feira, e divulgado pela publicação BBC News, cientistas da Escola de Medicina da Universidade Emory, de Atlanta, nos Estados Unidos, apresentaram os resultados de uma aplicação de telemóvel que promete o fim das agulhas no diagnóstico da anemia.

Trata-se de um software que, por meio de uma fotografia das unhas dos dedos, consegue identificar se o individuo apresenta níveis adequados de hemoglobina no sangue. E até ao momento os resultados dos testes são animadores quando à precisão.

A app deverá estar disponível para download até o fim do primeiro semestre de 2019, estimam os criadores. Em breve, o produto deve ter a patente reconhecida. Aliás, o protótipo já foi protocolado pelos órgãos norte-americanos competentes.

Exame sem agulhas

A aplicação foi desenvolvida como parte do trabalho de doutoramento do engenheiro biomédico Rob Mannino, que se inspirou num problema pessoal de saúde para pensar nesse método não invasivo de análise. Mannino é portador de uma doença hereditária no sangue, provocada por uma mutação genética.

"O meu tratamento requer transfusões de sangue mensais", conta o cientista.

"O ideal seria realizar exames de níveis de hemoglobina com frequência, mas como se trata de mais um aborrecimento e tarefa - fazer tantos exames entre tantas transfusões -, os médicos costumam apenas estimar quando vou precisar de uma transfusão, com base nas tendências do meu nível de glóbulos vermelhos."

Com o app, indivíduos como Mannino poderão realizar exames constantes sem nenhum tipo de método invasivo.

IN:NM