As ereções matinais, ou como são denominadas em termos médicos ‘tumescências noturnas penianas’ não só são um fenómeno fisiológico fascinante como podem ser um elemento bastante revelador da função sexual do individuo.



As chamadas ereções matinais afetam todos os indivíduos, até aqueles que ainda estão no útero da mãe e crianças do sexo masculino.

Essas ereções que os indivíduos experienciam ao acordar tendem a ocorrer primeiramente à noite, durante o momento mais profundo do sono denominado de REM (ou movimento rápido dos olhos). Esta é também a altura do sono durante a qual sonhamos. As ereções ocorrem quando certas partes do cérebro são ativadas.

Tal inclui áreas na mente responsáveis por estimularem o sistema nervoso parassimpático – nervos relacionados com os processos de descanso e de digestão – nervos associados a reações automáticas e ao medo – e a áreas que produzem serotonina, a também conhecida hormona do humor.

Durante o sono REM, a resposta mais ativa do sistema nervoso parassimpático resulta numa ereção.

O fenómeno é completamente espontâneo e não requer que os indivíduos estejam acordados ou em estado de alerta.

O motivo para que a ereção prevaleça ao acordar poderá recair sobre o facto de muitas vezes despertarmos ainda durante o sono REM.

Mais ainda, os níveis de testosterona encontram-se mais elevados logo de manhã – o que por sua vez reforça a ocorrência de ereções.

Adicionalmente, como experienciamos vários ciclos do sono por noite, os homens podem ter até cinco ereções noturnas, podendo durar entre 20 a 30 minutos.

IN:NM