Sarah Moore corria com a filha Lacie, que tinha partido a cabeça, para as urgências quando deixou o carro mal estacionado, em cima de linhas amarelas duplas. Quando regressou ao veículo esperava ter uma multa pesada, mas em vez disso o que tinha no pára-brisas era um bilhete.

Os paramédicos do North West Private Liaison Service tinham-lhe escrito uma nota onde explicavam que tinham conseguido convencer o fiscal a não a multar e que este até a tinha deixado mudar o carro para o estacionamento das ambulâncias do outro lado da estrada enquanto a filha estava a receber tratamento.

"Não tinham de fazer isto. Estava mesmo à espera de ser multada, já me tinha mentalizado, fizeram-me sentir muito mais feliz e tudo muito mais fácil", referiu Sarah citada pelo Daily Mail.

Mãe e filha estavam em casa da avó, no passado dia 2, quando a pequena partiu a cabeça numa porta. A mãe admitiu que "estava com medo de desmaiar com tanto sangue". "Nem deu tempo de chamar uma ambulância, pu-la no carro e corri. Foi assustador", contou.

Os paramédicos ainda a tentaram alertar de que não podia deixar ali o carro, mas sem sucesso.

No bilhete podia ler-se: "Boa tarde, reparámos que deixou o carro aqui quando correu para as urgências com a sua filha. Falámos com o fiscal do parquímetro. Dissemos-lhe o que se tinha passado e conseguimos convencê-lo a não a multar tendo em conta as circunstâncias. Ele pediu-nos que lhe dissesse que pode deixar o carro no parque das ambulâncias do outro lado da estrada".

"Esperamos que a pequenota esteja bem, melhores cumprimentos, paramédicos do North West Private Ambulance Liaison Service", despediram-se.

IN:NM