Pode parecer completamente descabido, afinal por que não deve praticar exercício e, de seguida, usar um elixir bucal? O que uma coisa tem a ver com a outra? Ora, a ciência explica.



Nos anúncios televisivos o processo parece simples e completamente eficaz. Um individuo lava os dentes, bochecha com o elixir e, então, a partir dai a sua higiene bucal está 100% garantida. Mas, já se indagou qual será o preço que a sua saúde paga por essa quantidade de químicos que coloca na boca?

Ora, uma experiência realizada por cientistas do Reino Unido e de Espanha, publicada no periódico Science Direct, revelou que usar o elixir bucal logo após o exercício acaba com uma das vantagens da atividade física: a redução da pressão arterial.


Quando nos exercitamos, os vasos sanguíneos abrem-se por conta do óxido nítrico, dilatando-os, e assim a pressão arterial diminui, o que beneficia a prática de exercício e a saúde em geral.

Por muito tempo acreditava-se que os vasos permaneciam dilatados apenas pelo período de tempo que durava a atividade física, entretanto, apurou-se que após esse período a pressão mantém-se baixa graças à forma como as bactérias interagem com o composto nitrato.

O nitrato é absorvido pelas glândulas salivares e excretado com saliva na boca. Dali, algumas bactérias usam o nitrato e convertem-no em nitrito, que é engolido com a saliva, é absorvido pela circulação sanguínea e volta ao óxido nítrico, o que mantém os vasos dilatados e diminui a pressão.

Como tal, se um elixir bucal antibacteriano for utilizado, esse sistema será interrompido, e a pressão sanguínea voltará a aumentar após a atividade física.

IN:NM