De acordo com um estudo recente da Universidade de Alberta, no Canadá, se tem ou pretende ter um cão ou um gato em casa não tem nada com o que se preocupar quanto ao bem-estar da criança. Os investigadores concluíram, no final da pesquisa, que a presença de um cão pode ser, inclusive, essencial para ajudar a criança a desenvolver diversos aspectos da sua saúde, sobretudo funções ligadas ao sistema imunológico.


Um grande ponto de preocupação dos pais é o possível desenvolvimento de alergias, por parte dos filhos, contra o bicho. A inquietação é justificada: a estimativa é de que, em todo o mundo, entre 10% e 20% das pessoas possuam alergias a animais. Contudo, o trabalho apontou que o efeito da interação entre cães e bebés é exatamente o oposto.

Ao longo da pesquisa foi constatado que, em famílias com animais de estimação, bebés apresentavam duas vezes mais micróbios nos seus intestinos, cuja presença é associada com menores riscos de obesidade e de desenvolver alergias e outras formas de irritações. Além disso, a sujidade e bactérias presentes nas patas e no pelo do animal auxiliam no desenvolvimento precoce de imunidade do jovem. Outra observação dos cientistas foi a de que crianças que crescem com cães têm uma menor probabilidade de desenvolver asma.

O estudo envolveu 746 crianças, que nasceram entre os anos de 2009 e 2012. E não é o primeiro que abordou a questão.

Um outro, publicado em 2018, apontou vantagens psicológicas que os animais de estimação podem trazer para os pequenos. Os investigadores, todos da Universidade de Kent, nos Estados Unidos, descobriram que crianças com animais de estimação possuem relações mais próximas com os seus pais, e mais sólidas com melhores amigos, do que aquelas sem gatos ou cães nas suas casas.


IN:NM