Há muitos e bons projetos no âmbito dos carros elétricos. Um dos bons exemplos poderia ter sido o SUV da Dyson, mas não teve pernas para chegar a um bom fim. Esta empresa teve que cancelar o seu projeto de um SUV elétrico premium por não ser competitivo. Segundo o empresário, este mercado dos elétricos permite que certas empresas vendam carros mesmo a perder dinheiro!


O homem mais rico da Grã-Bretanha, James Dyson, projetou e fabricou um SUV elétrico que tem uma autonomia de 1000 km. Contudo, a empresa fechou!








Um SUV que custaria 165 mil euros


Em outubro do ano passado, e após dois anos de trabalho, o magnata britânico James Dyson concluiu o seu projeto de um carro elétrico no qual 523 pessoas trabalhavam intensamente. Segundo o próprio, cada veículo custaria 165 000 euros, valor que se tornou impossível de competir com outras marcas. O empresário apontou certos comportamentos de mercado que, na sua ótica, não abonaram a favor da competitividade. Assim, tais práticas arruinaram o projeto de um SUV elétrico de luxo destinado a concorrer contra o veterano Tesla Model X.



O magnata esteve em silêncio desde o encerramento da sua unidade fabril. No entanto, numa entrevista ao Sunday Times, revelou alguns dos detalhes que mostram até que ponto a sua equipa avançou.



Assim, em termos de capital investido, Dyson referiu que já havia atingido as 500 milhões de libras (cerca de 560 ​​milhões de euros), valor que saiu do próprio bolso. Pese o facto de Dyson ser o homem mais rico da Grã-Bretanha, com uma fortuna avaliada em 16,2 mil milhões de libras, risco e fracasso ainda são “tristeza e deceção”, conforme ele próprio referiu.






N526 – Veículo elétrico para um mercado premium


Segundo o que foi testemunhado, o empresário havia reunido uma equipa multifacetada e altamente talentosa. Pessoas da indústria que já eram veteranas no que toca a novos modelos, incluindo o ex-executivo da BMW e da Infiniti, Roland Krueger. O projeto incluiu, além do desenvolvimento de um carro elétrico premium, a construção e instalação de toda a linha de montagem numa fábrica que seria construída em Singapura.


O carro elétrico Dyson já havia atingido os estágios iniciais do projeto. Sob o nome interno de N526, o design preliminar mostra um SUV elétrico de luxo de grandes dimensões, com capacidade para sete ocupantes adultos e um interior minimalista. As suas dimensões revelam que o seu rival “natural” seria o Tesla Model X.

Conforme foi revelado, este SUV tinha 5000 mm de comprimento, 1700 mm de altura e 2000 mm de largura. Este carro tem um peso de 2600 kg.


No entanto, seria muito superior a isso em autonomia. Nas fases anteriores, Dyson havia anunciado que seria de cerca de 966 quilómetros.








O trunfo seria a bateria


Observando os atributos deste veículo, facilmente se percebe que o segredo de Dyson estava na bateria. O empresário nunca revelou as suas capacidades ou tecnologia, embora tenha focado a sua atenção e investigação para tornar real a tecnologia de baterias de eletrólito sólido. Pese o facto desta tecnologia só chegar numa fase posterior, dado que inicialmente as primeiras unidades seriam montadas com baterias tradicionais com eletrólito líquido.


Portanto, a configuração mecânica era novamente semelhante à do Modelo X, com dois motores elétricos duplos, capazes de oferecer 400 kW de potência total, 536 cv, que permitiriam acelerar dos 0 a 100 km/h em 4,8 segundos. Além disso, este poderoso conjunto iria atingir uma velocidade máxima de 250 km/h.



Quanto ao interior, a equipa de Dyson tinha desenhado um conjunto minimalista, que dispensaria os ecrãs clássicos que hoje não podem faltar em nenhum carro, para transformar o painel de instrumentos num holograma.



PP