Uma equipa de investigadores da Universidade de Southampton enviou, no passado dia 26 de maio, terça-feira, 120 inaladores a pacientes com Covid-19 para que testassem a sua eficácia em casa.

A nova tecnologia promissora utiliza uma droga experimental que fortalece o sistema imunitário, cujo código é SNG001.

Esta por sua vez contém uma proteína denominada interferão beta, produzida pela corpo cada vez que contraímos qualquer tipo de infeção viral.

Segundo o canal ABC, esta já é usada no tratamento da esclerose múltipla, e já demonstrou ter resultados positivos - em combinação com outros fármacos - no alívio de sintomas associados à Covid-19 num ensaio clínico realizado em Hong Kong.

Quando a droga é inalada, é transportada diretamente para os pulmões e ajuda a suprimir os efeitos prejudiciais do vírus.

Agora, os cientistas esperam que o fármaco previna que o SARS-CoV-2 entre na chamada "fase mortífera", que tende a ocorrer no décimo dia após o aparecimento dos primeiros sintomas.

Se os testes forem bem sucedidos, a farmacêutica Synairgen, localizada em Southampton espera produzir "milhões de doses" até ao final do ano.

Enquanto que a equipa que desenvolveu o inalador está prestes a assistir ao término de um ensaio clínico realizado num hospital e que envolveu 100 doentes, sendo que os resultados serão publicados em julho, mantém que o novo teste caseiro é igualmente determinante para determinar a eficácia do tratamento.

O líder do estudo, o professor Nick Francis, disse em entrevista ao jornal britânico Daily Mail: "necessitamos com urgência de um tratamento contra a Covid-19 que possa ser administrado logo na fase inicial da doença, de modo a prevenir a progressão dos sintomas e a ocorrência de quadros graves".


IN:NM