Se já foi submetido ao teste à COVID-19 ou viu imagens do processo sabe que é um método um tanto desagradável. Além disso, põe em risco os profissionais de saúde responsáveis por realizá-lo, uma vez que estão contacto com possíveis infetados.


Nesse sentido, a fim de proteger os profissionais de saúde, o Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM), apoiado pelo Ministério da Ciência, desenvolveu um robô que faz a colheita das amostras, mantendo a distância e, consequentemente, anulando o contacto.







Teste à COVID-19 ainda desagradável, mas mais seguro


O teste à COVID-19 pressupõe que seja inserida no nariz do paciente uma zaragatoa (um material absorvente na extremidade de uma haste), a fim de fazer a recolha de amostras no mais fundo possível do nariz. A realizar este processo estão profissionais de saúde que, ainda que protegidos, se encontram em constante contacto com eventuais infetados.



Para promover o distanciamento e a proteção dos profissionais, a equipa liderada por Jooho Seo do Department of Medical Assistant Robot, Daegu Reserach Center for Medical Devices e Green Energy no KIMM colaborou com a equipa do professor Nam-Hee Kim da Dongguk University College of Medicine. O objetivo das duas equipas era desenvolver um sistema que fizesse a recolha das amostras de forma automática e sem aproximar os profissionais.






Um robô para proteção dos profissionais de saúde


O aparelho é constituído por um dispositivo controlado por um profissional de saúde e um robô que se aproxima e interage com o paciente. O robô está equipado com um cotonete descartável, que faz a recolha das amostras do nariz e da boca do paciente. Além disso, move-se de acordo com as ordens do dispositivo de controlo, aprimorando a precisão e a segurança na recolha da amostra.


A equipa adaptou o dispositivo de controlo, para que dirigisse vários robôs, em simultâneo, e o sistema possibilita a comunicação entre o paciente e o profissional, através de vídeo e áudio.


Esta tecnologia permite a recolha de amostras em pessoas que apresentam sintomas de doenças infeciosas de alto risco, mesmo sem contacto direto. Espero que seja útil no rastreio de doenças de alto risco, como a COVID-19, e espero que contribua para a segurança e bem-estar dos profissionais de saúde durante pandemias e epidemias.

Disse Jooho Seo.



É esperado que este novo sistema reduza significativamente o risco de infeção entre os profissionais de saúde. Além disso, é um robô pequeno e acessível a ponto de ser facilmente colocado em vários ambientes médicos.



Pp