Homem completamente paralisado consegue digitar
90 palavras por minuto usando apenas o cérebro




Um dispositivo experimental que transforma pensamentos em texto permitiu que um homem, que ficou paralisado em um acidente, construísse sentenças rapidamente em uma tela de computador.
O homem foi capaz de digitar com 95% de precisão apenas imaginando que ele estava escrevendo cartas em uma folha de papel, uma equipe relatou quarta-feira na revista Nature.
“O que descobrimos, surpreendentemente, é que [ele] pode digitar cerca de 90 caracteres por minuto”, diz Krishna Shenoy, da Universidade de Stanford e do Instituto Médico Howard Hughes.
O dispositivo seria mais útil para pessoas que não conseguem se mover ou falar, disse o Dr. Jaimie Henderson, neurocirurgião de Stanford e co-diretor, com Shenoy, do Stanford Neural Prosthetics Translational Laboratory.
“Também podemos prever que ele seja usado por alguém que sofreu uma lesão na medula espinhal que quer usar e-mail”, diz Henderson, “ou, digamos, um programador de computador que quer voltar ao trabalho”.
Henderson e Shenoy têm um interesse em comercializar a abordagem experimental usada para decodificar sinais cerebrais.
A ideia de decodificar a atividade cerebral da escrita é “simplesmente brilhante”, diz John Ngai, que dirige a Iniciativa BRAIN dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, que ajudou a financiar a pesquisa.
“Mas foi apenas em um voluntário em um ambiente de laboratório”, diz Ngai. “Então, no momento é uma grande demonstração de prova de princípios.”
O homem que concordou em testar o dispositivo é incapaz de mover os braços e pernas como resultado de um acidente bizarro.
“Ele estava tirando o lixo, escorregou, caiu e imediatamente ficou tetraplégico”, diz Henderson. “Ele está completamente paralisado.”

Alguns anos atrás, o homem concordou em participar de um estudo de um sistema experimental chamado BrainGate2. Permite que pessoas paralisadas controlem computadores e outros dispositivos usando apenas seus pensamentos.
O sistema conta com eletrodos implantados cirurgicamente perto da parte do cérebro que controla o movimento. Em estudos anteriores, os participantes haviam aprendido a controlar um cursor de computador ou braço robótico imaginando que estavam movendo as mãos.
Desta vez, Henderson, Shenoy e uma equipe de cientistas fizeram o homem imaginar que ele estava escrevendo cartas individuais à mão enquanto um computador monitorava a atividade elétrica em seu cérebro.
Finalmente, o computador aprendeu a decodificar o padrão distinto de atividade associado a cada letra do alfabeto, bem como vários símbolos.
Uma vez que esse processo esteja concluído, Shenoy diz: “Podemos determinar se a letra que você escreveu é um A ou um B ou um C e, em seguida, envia para a tela e você é capaz de soletrar palavras e frases e assim por diante, uma letra de cada vez.”
Em experimentos anteriores, os participantes tinham sido capazes de usar seus pensamentos para “apontar e clicar” em letras em uma tela. Mas essa abordagem era muito mais lenta do que a escrita imaginada.
Além disso, como o novo sistema se baseia em pensamentos conhecidos, o participante foi capaz de usá-lo quase imediatamente.
“Ele ficou muito feliz quando pôde escrever mensagens em resposta às perguntas que lhe fizemos.” Henderson disse. “Ele estava muito animado com isso.”
O sucesso da equipe na decodificação da escrita imaginada é apenas o mais recente avanço nos esforços para vincular computadores ao cérebro humano, diz Ngai.
“Fui apresentado a esse conceito há mais de 10 anos, e achei que era meio ficção científica”, diz ele. “Então, cerca de cinco anos depois, mostrou-se que não era tão ficção científica, afinal. Então acho que estamos vendo uma progressão. É realmente muito emocionante.”
Um editorial que acompanha o estudo compartilha essa visão.
A abordagem da escrita “trouxe interfaces neurais que permitem uma comunicação rápida muito mais próxima de uma realidade prática”, escreveram Pavithra Rajeswaran e Amy L. Orsborn, da Universidade de Washington.


Fonte:hypescience