80 casas assaltadas por dia com novos métodos

florindo

Administrator
Team GForum
Entrou
Out 11, 2006
Mensagens
38,998
Gostos Recebidos
358


80 casas assaltadas por dia com novos métodos

Se um estranho lhe tocar à campainha para fazer uma vistoria às paredes da casa e resolver infiltrações, antes de tudo desconfie.

É que, com este pretexto, dezenas de casas têm sido assaltadas nos últimos meses em vários concelhos de Lisboa.

Este é um esquema recente e está a fazer disparar as estatísticas: todos os dias são assaltadas 80 casas em todo o país.

Segundo dados do Sistema de Segurança Interna, a que o SOL teve acesso, o número de furtos a residências subiu 14,6% só nos primeiros cinco meses deste ano (11.942 queixas) face ao mesmo período de 2010.

Em causa está um dos crimes mais participados e que tem vindo a aumentar todos os anos.

A manter-se esta tendência, o agravamento pode atingir os 30% no final do ano.

Um dos estratagemas que mais está a preocupar as autoridades tem sido protagonizado por assaltantes que se fazem passar por empreiteiros ou técnicos que prometem resolver infiltrações.

Na semana passada, foi a vez de Miguel – que vive num prédio de três andares nas Avenidas Novas, em Lisboa – cair na ratoeira.

«Um tipo vestido de ganga, magro, com 1,80 e cerca de 40 anos, bateu-me à porta e disse que estava ali a mando do senhorio por causa das infiltrações que existiam no prédio».

Talvez por estar com pressa para chegar ao trabalho (eram 9h30), o jornalista, de 35 anos, deixou-o entrar.

Mas não tardou a desconfiar: «Às tantas, pediu-me uma vassoura.

Apesar de ter estranhado, fui à cozinha, que fica na outra ponta da casa.

Assim que volto para trás, já ele vinha na minha direcção a dizer que tinha de ir ao carro buscar tintas. Nada daquilo fazia sentido...».

Poucos segundos depois, quando desceu as escadas do prédio, desfez o enigma: o homem tinha desaparecido e, com ele, um portátil que estava na sala e que custou cerca de mil euros.

Quando apresentou queixa na esquadra, percebeu que era apenas mais uma vítima deste esquema.

Uma semana antes, também à mesma hora, um homem, vestido da mesma maneira, tocou à campainha de Rui, um consultor de marketing de 27 anos, que vive num prédio de quatro andares na Duque de Loulé:

«Teve sorte, porque de facto eu estava à espera de receber um senhor por causa das infiltrações e, ao mesmo tempo, estava com pressa para chegar ao trabalho».

À pergunta «Vem da parte do senhor Juvenal, não é?», o larápio respondeu sem pensar duas vezes: «Sim, sim».

E entrou. A táctica é sempre a mesma: pediu uma vassoura, ficou sozinho uns segundos entre o corredor e um quarto e retirou-se logo depois, avisando que ia buscar uma «lata isolante ao carro».

Mais do que desconfiado, Rui fez dois telefonemas e rapidamente percebeu que recebeu a visita errada.

«Liguei para o meu vizinho de cima, que me deu o contacto do empreiteiro do prédio a quem foi encomendado o serviço. E percebi tudo». Era tarde. O estranho tinha desaparecido e, com ele, um ipod de 249 euros.


SOL
 
Topo