• Olá Visitante, se gosta do forum e pretende contribuir com um donativo para auxiliar nos encargos financeiros inerentes ao alojamento desta plataforma, pode encontrar mais informações sobre os várias formas disponíveis para o fazer no seguinte tópico: leia mais... O seu contributo é importante! Obrigado.

Governo diz não entender críticas do FMI sobre preços da electricidade

florindo

Administrator
Team GForum
Entrou
Out 11, 2006
Mensagens
38,807
Gostos Recebidos
57
ng1345409_435x200.jpg


Governo diz não entender críticas do FMI sobre preços da electricidade

O secretário de Estado da Energia afirmou hoje não perceber as críticas de Abebe Selassie, representante do FMI na 'troika', sobre o seu desapontamento de os preços da electricidade não baixarem, já que foi um plano "sancionado pela própria 'troika'".Artur Trindade, que falava aos jornalistas no final da apresentação de um simulador da EDP sobre a energia em Portugal em 2050, afirmou não parecer "lógico" a 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia, Banco Central Europeu) estar "a criticar um plano que eles próprios aprovaram", acrescentando que as declarações de Abebe Selassie poderão ser "uma alusão aos problemas de concorrência que historicamente acontecem no sector da energia, das telecomunicações e outras".
A 24 de Março, o chefe de missão do FMI, Abebe Selassie, em entrevista à Lusa, considerou muito desapontante o facto dos preços da electricidade e das telecomunicações não terem descido e que esta questão é importante para garantir que os sacrifícios são repartidos de forma justa.
O secretário de Estado afirmou ter "um plano acordado com a 'troika', que inclui o FMI obviamente", mas reconheceu haver "problemas no mercado que estão fora desse plano".
"Sempre sinalizámos à 'troika' e ao FMI que o calendário de liberalização das tarifas era ambicioso e foi sempre a 'troika' e o FMI que quis encurtar esse calendário", observou, acrescentando que sempre alertou que o mercado português "era especial" e que a concorrência "deve ser tida com cuidado".
Artur Trindade fez questão de frisar que "foi o Governo que negociou com muito custo um calendário até 2015 porque a 'troika' queria que todas as tarifas reguladas fossem extintas no dia 01 de Janeiro de 2013", adiantando que se há problemas com a concorrência, o Governo "avisou a 'troika'".

Fonte: Lusa/SOL
 
Topo