• Olá Visitante, se gosta do forum e pretende contribuir com um donativo para auxiliar nos encargos financeiros inerentes ao alojamento desta plataforma, pode encontrar mais informações sobre os várias formas disponíveis para o fazer no seguinte tópico: leia mais... O seu contributo é importante! Obrigado.
Odisseias

Iraniana Sakineh condenada a mais 99 chicotadas

eica

GForum Vip
Entrou
Abr 15, 2009
Mensagens
21,723
Gostos Recebidos
0
Alegada imagem publicada no Times terá sido a causa da nova sentença
A iraniana Sakineh Mohamadi Ashtiani, que corre o risco de ser executada por apedrejamento, foi condenada a receber mais 99 chicotadas, segundo informações do filho publicadas na revista digital francesa «La règle du jeu» e no blog «Dentelles et Tchador», informa a France Press.

A jornalista franco-irananiana Armin Arefi conversou por telefone com Sajjad Mohamadi Ashtiani, filho da iraniana de 43 anos, que afirmou que Sakineh Ashtiani foi condenada a 99 chicotadas por ter «propagado a corrupção e a indecência», depois uma fotografia sua ter sido publicada num jornal britânico.

«O advogado de minha mãe, Hutan Kian, foi informado ontem por detidas da penitenciária que acabavam de ser libertadas», explicou Sajjad, que estava na cidade de Tabriz, noroeste do Irão. «Ele entrou em contacto com o juiz independente da penitenciária, que confirmou a pena».

O jornal britânico Times publicou na edição de 28 Agosto a fotografia de uma mulher sem véu que apresentou como Ashtiani, informam a revista digital do filósofo francês Bernard-Henri Lévy e o blog «Dentelles et Tchador», que fica dentro do site do jornal Le Monde.

A foto era na realidade a de uma activista política iraniana que mora na Suécia, segundo a jornalista. Na edição de sexta-feira, o Times pediu desculpas aos leitores e explicou que a imagem tinha sido entregue por Mohamad Mostafaei, o segundo advogado de Sakineh, que disse ter obtido a mesma do filho Sakineh. Mas Sajjad Ashtiani negou que fosse a sua mãe.

A condenação à morte por apedrejamento de Sakineh provocou uma ampla campanha internacional para evitar a execução, provisoriamente suspensa.

«Mas suspensa não quer dizer anulada», destacou o filho da iraniana numa entrevista a Bernard-Henri Lévy publicada na sexta-feira no jornal Libération.

TVI24
 
Topo