Minerar Bitcoin consome mais eletricidade que 20 países europeus

Luisao27

GF Ouro
Entrou
Jun 7, 2017
Mensagens
1,572
Gostos Recebidos
0
Cada vez mais o assunto BitCoin está na ordem do dia, seja pela constante subida e recordes de valor registado por esta criptomoeda, seja pela sua instabilidade abrupta. Além destes assuntos há vários que gravitam em torno da moeda.

Como o Bitcoin continua a sua caminhada para se tornar “convencional” e de uso corrente, verifica-se que as suas taxas de preços crescentes não são a única coisa que sofre um aumento súbito. Há uma nova pesquisa a referir que a criptografia popular agora consome mais eletricidade do que mais de 20 países na Europa.
[h=3]Preâmbulo – O que é o Bitcoin[/h]
Podemos referir em termos genéricos que é uma moeda virtual criada em 2009, com base no sistema peer-to-peer (P2P). O P2P é um sistema que não prevê a existência de uma autoridade centralizada que controle a moeda ou as transações, como acontece com as outras moedas (por exemplo, o Euro é controlado pelo Banco Central Europeu). Ao invés, a criação de moeda e as transferências baseiam-se numa rede de código aberto em protocolos cifrados que constituem a base da segurança e liberdade do Bitcoin, fazendo com que as transações sejam instantâneas entre os utilizadores.


Invenção de um guru de informática misterioso, que se remeteu ao seu pseudónimo Satoshi Nakamoto, esta moeda é criada por meio de uma fórmula matemática bastante complexa. Mas para aprofundar os seus conhecimentos, veja a informação mais pormenorizada abaixo:
[h=3]O que é a Mineração de Bitcoin?[/h]
[h=3]Mas minerar gasta muita energia?[/h]
Bom, este é o ponto que está na ordem do dia porque cada vez há mais pessoas a “minerar” esta criptomoeda. Tal é a relevância que investigadores da plataforma britânica de comparação de preços de energia, a Power Compare, descobriram que o volume total de eletricidade necessário para a mineração do Bitcoin – o tal o processo computacional que mantém as transações na cadeia de blocos em movimento – agora equivale a mais consumo do que 159 países individuais.


Entre outros, a lista inclui a Irlanda, a Croácia, a Sérvia, a Eslováquia e a Islândia.
Curiosamente, apenas três países de todo o continente africano atualmente consomem mais eletricidade do que o processo de minerar Bitcoins: África do Sul, Egito e Argélia.


No que diz respeito ao resto do mundo, a Power Compare menciona o Equador, Porto Rico, a Coreia do Norte, entre vários outros países. No mapa abaixo há uma identificação clara do cenário atual.
[h=3]E em Portugal?[/h]
Os dados mostram, por exemplo, que Portugal tem um consumo anual de energia na casa dos 46.000.000.000,00 kWh, portanto, isso significa que a energia anual gasta na mineração de Bitcoins, em todo o mundo, equivale a 63,15% de toda a energia gasta em Portugal.


A título de curiosidade podemos ver que no caso de Marrocos, que tem um consumo anual de energia de 29.000.000.000,00, o que é consumido no mundo para minerar o Bitcoin chegava para alimentar o país em todas as suas necessidades energéticas.


Uma avaliação mais realista dá conta que os “mineiros” de Bitcoin estão na posição 61 no que toca ao consumo de energia no planeta.



Pese o facto de muitos especialistas do setor financeiro dizerem que o Bitcoin não é uma moeda, na realidade esta “moeda da Internet” está já com uma grande relevância no mundo. Há dias o Bitcoin ultrapassou pela primeira vez os 8 mil dólares. Claro que esta variação cria desconfiança, mas a cada mês que passa tem atraído mais utilizadores. De acordo com a Power Compare, a mineração Bitcoin viu um aumento de quase 30% no consumo apenas nos últimos 30 dias.


Curiosamente, a pesquisa aponta que, assumindo que as necessidades de eletricidade da Bitcoin continuam a crescer a essa taxa, o consumo global de mineração pode ser maior do que todo o fornecimento elétrico do Reino Unido em outubro do próximo ano. O que poderá significar que o consumo de energia da mineração de Bitcoin irá ser superior ao consumo anual de energia de Portugal já nos próximos 2 ou 3 meses (se tanto).
[h=3]Mas quanto custa toda esta energia?[/h]
Claro que é legítimos fazermos logo contas do valor em dinheiro que custa este consumo. Os investigadores estimam que os custos anuais de eletricidade de mineração de Bitcoin atualmente representam 1,5 mil milhões de dólares. Uma coisa a ter em mente é que a estimativa supõe que a mineração ocorre em locais com baixas taxas de eletricidade. Se assim não for… então o número poderá ser ainda maior na realidade.



logopplware.png

 
Topo