Portugueses protestam pelo mundo

florindo

Administrator
Team GForum
Entrou
Out 11, 2006
Mensagens
38,997
Gostos Recebidos
358


Portugueses protestam pelo mundo

Ana Margarida Esteves, de 35 anos, foi há dois meses dar aulas para a Tulane University, em Nova Orleães e, pouco depois, decidiu juntar-se ao Occupy New Orleans – um grupo que integra um novo movimento que está a crescer nos EUA e na Europa e que promete para hoje uma manifestação internacional histórica em 60 países.

Em Portugal, estão marcados protestos para várias cidades, sob o lema ‘A 15 de Outubro a Democracia Sai à Rua’.

A viver numa residência universitária, Ana Margarida é uma das dezenas de portugueses envolvidos directamente nos protestos que estão a ser organizados em vários países da Europa e nos Estados Unidos.

«Aqui, em Nova Orleães, sou a única portuguesa que faz parte do movimento», explica, acrescentando que o seu papel é tentar informar os norte-americanos do que se passa na Europa, especialmente em Portugal, para onde diz querer regressar quando acabar o pós-doutoramento.

«Tenho feito os possíveis para alertar as pessoas para o 12 de Marco e a ‘acampada’ do Rossio.

É importante que saibam que em Portugal as coisas estão a mexer».

Ana acredita que este movimento está a crescer em todo o mundo.

«Aqui, nos EUA, não se vivia nada assim desde 1968.

A escala desta contestação é muitíssimo maior e acho que o impacto a nível político, social e até cultural será ainda maior» – diz, explicando que, se os sindicatos se juntarem ao protesto, «o movimento poderá atingir uma escala nunca antes imaginada».

«Pode vir a acontecer uma greve geral em Manhattan, exigindo a taxação de transacções financeiras, algo que até há pouco tempo ninguém imaginava possível», avisa.

A ligação de Ana a grupos de contestação vem da adolescência.

A estudar nos EUA desde 2004, contesta a forma como a economia controla a vida das pessoas. E é isso que a leva a protestar:

«Acho que é possível uma outra forma de economia, baseada em redes de cooperativas e micro-empresas, bancos comunitários».

20 jovens portugueses ajudam em França

Hugo dos Santos, de 30 anos, é um dos 20 luso-descendente que estão a ajudar nos protestos em França.

Vive em Paris, onde trabalha num cinema, e diz que se juntou ao M12M (Movimento 12 de Março) por querer lutar por melhores condições sociais.

Aliás, segundo Hugo, a maioria dos 20 portugueses que integram o movimento, são jovens como ele, em grandes dificuldades.

Em França, destaca ainda o facto «de o Governo não ter cedido» em nenhuma das manifestações anteriores e o forte papel da Polícia:

«Em todos os protestos, a repressão policial foi tremenda».

Situação bem diferente daquela que é vivida em Portugal, onde a Polícia não tem interferido.

Aliás, segundo adiantou a PSP aos promotores da manifestação marcada para hoje, numa reunião que tiveram para definir estratégias,«não há qualquer perigo previsto», conta ao SOL João Labrinch, do M12M.


SOL
 
Topo