• Olá Visitante, se gosta do forum e pretende contribuir com um donativo para auxiliar nos encargos financeiros inerentes ao alojamento desta plataforma, pode encontrar mais informações sobre os várias formas disponíveis para o fazer no seguinte tópico: leia mais... O seu contributo é importante! Obrigado.

Despesa com juros aumentou 18,8% este ano

florindo

Administrator
Team GForum
Entrou
Out 11, 2006
Mensagens
38,997
Gostos Recebidos
358
A despesa com juros da administração central e da Segurança Social subiu 18,8 por cento nos primeiros oito meses deste ano, segundo dados hoje divulgados pela Direcção-geral do Orçamento (DGO).
No seu boletim de execução orçamental, a DGO regista que, até Agosto, o Estado despendeu 4.268 milhões com juros e outros encargos.
Este valor é 18,8 por cento superior ao que se registou no mesmo período do ano passado. O aumento decorre do crescimento da dívida pública (e consequentemente dos juros a pagar por ele) e do aumento dos juros exigidos pelo financiamento de Portugal.
No entanto, este montante representa apenas 58 por cento do total previsto no Orçamento rectificativo para gastos com juros em 2012, estando já decorridos dois terços do ano.
Note-se, contudo, que estes cálculos são feitos para aquilo que a DGO designa como «universos comparáveis»; a partir deste ano, passaram a ser incluídas nas contas da administração central uma série de empresas públicas. Contando com estas entidades, a despesa com juros este ano chegaria aos 8.485 milhões de euros.
Estas contas são apresentadas em contabilidade pública (óptica de caixa). Os números do défice considerados por Bruxelas para o procedimento de défices excessivos são calculados em contabilidade nacional (óptica de compromissos).
O Estado português tinha-se comprometido inicialmente a apresentar este ano um défice orçamental de 4,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). Perante receitas fiscais abaixo do previsto, o Governo acordou com a ‘troika’ (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) rever a meta para 5,0 por cento do Produto Interno Bruto.

Fonte: Lusa/SOL
 
Topo