• Olá Visitante, se gosta do forum e pretende contribuir com um donativo para auxiliar nos encargos financeiros inerentes ao alojamento desta plataforma, pode encontrar mais informações sobre os várias formas disponíveis para o fazer no seguinte tópico: leia mais... O seu contributo é importante! Obrigado.

Europeus suavizam resolução sobre Síria no Conselho Segurança

maioritelia

Sub-Administrador
Team GForum
Entrou
Ago 1, 2008
Mensagens
8,290
Gostos Recebidos
156
Membros europeus do Conselho de Segurança da ONU suavizaram o texto de uma resolução condenando a repressão do governo sírio aos protestos da oposição, mas a Rússia disse hoje que não apoiará o novo documento.
Os quatro membros europeus no Conselho pretendem enviar a resolução para votação hoje. Espera-se que os Estados Unidos apoiem, disseram os enviados, apesar da sua decepção com compromissos assumidos para conseguir o apoio de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o grupo conhecido como Brics.

A última tentativa de superar as diferenças entre esses cinco países e as potências do Ocidente no Conselho acontece depois de meses de resistência dos Brics de aplicar ações severas contra a Síria, onde, segundo a Organização das Nações Unidas, cerca de 2.700 civis foram mortos na repressão.

No entanto, o Conselho formado por 15 nações ainda estava paralisado depois de uma reunião à porta fechada sobre a nova resolução, o que diminui as possibilidades de uma votação rápida.

A última versão da resolução mostrou que a Grã-Bretanha, França, Alemanha e Portugal apagaram uma referência à recomendação feita pela chefe de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, de que o Conselho deveria considerar levar a repressão do governo sírio ao Tribunal Penal Internacional em Haia.

O embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, disse que as revisões não foram suficientes para satisfazer Moscovo. «Não estou otimista», disse Churkin antes do encontro.

Depois da reunião, explicou que a Rússia se opôs a qualquer menção da possibilidade de futuras sanções da ONU contra a Síria no texto da resolução, uma retórica que o embaixador alemão, Peter Wittig, considera como «não negociável» para os europeus.

dd.
 
Topo