• Olá Visitante, se gosta do forum e pretende contribuir com um donativo para auxiliar nos encargos financeiros inerentes ao alojamento desta plataforma, pode encontrar mais informações sobre os várias formas disponíveis para o fazer no seguinte tópico: leia mais... O seu contributo é importante! Obrigado.

Funcionária de junta de freguesia julgada por peculato

florindo

Administrator
Team GForum
Entrou
Out 11, 2006
Mensagens
38,981
Gostos Recebidos
342
Funcionária de junta de freguesia julgada por peculato

Uma ex-funcionária da Junta de Freguesia de Santa Maria, no concelho de Óbidos, começou hoje a ser julgada no Tribunal das Caldas da Rainha, acusada de peculato e falsificação de documentos.

A arguida é acusada pelo Ministério Público (MP) de ter lesado a Junta de Freguesia de Santa Maria em 5.646 euros através da apropriação indevida de verbas entregues por habitantes para pagamento de facturas e licenças, bem como através da emissão de falsos alvarás.

Os factos remontam a 2007, altura em que a junta de freguesia lançou o programa «aproximação ao cidadão», um serviço em que «em vez de as pessoas se deslocarem à junta para fazerem pagamentos e tratar de documentação, a junta deslocava às localidades uma funcionária para prestar esse serviço», explicou hoje ao tribunal o presidente da junta, Sérgio Félix.

Responsável por aquele serviço de proximidade, a arguida Rita Pires, tinha, segundo a acusação, acesso a documentos dos quais constavam as assinaturas do presidente e secretário da junta, bem como da palavra passe de acesso a uma conta afecta aos pagamentos do programa «aproximação ao cidadão».

«Apercebendo-se da confiança em si depositada» quer pelos elementos do executivo quer pelos cidadãos, a arguida terá, segundo a acusação, digitalizado as assinaturas dos dois elementos da junta e emitido falsos alvarás relativos à compra de talhões no cemitério da freguesia, recebendo dos compradores a quantia de 850 euros, e emitindo falsos recibos.

De acordo com as dez testemunhas de causação, ouvidas hoje pelo tribunal, a arguida ter-se-á ainda apropriado de valores entregues, sobretudo por idosos da freguesia, para pagamento de facturas de água, electricidade, telefone e serviços de televisão por cabo.

As reclamações efectuadas na Junta de Freguesia por idosos que, depois de terem pago à arguida o valor das facturas, recebiam em casa carta de aviso de corte do serviço por falta de pagamento, levaram à descoberta do desvio de verbas que veio a dar origem ao processo.

Em causa estão ainda a emissão de licenças de caça, canídeos e de aves aquáticas cujos valores cobrados nunca terão sido entregues na Câmara de Óbidos e cujos valores terão sido posteriormente pagos pela junta de freguesia.

Além do pagamento dos 5.646 euros em que se considera lesada, a autarquia avançou com um pedido de indemnização cível de três mil euros à ex-funcionária (que rescindiu o contrato em Fevereiro de 2008, quando foram conhecidos os factos), alegando que os fregueses terão perdido a confiança no serviço de proximidade.

O tribunal marcou para 13 de Dezembro a audição de mais uma testemunha de acusação e as alegações finais.

O julgamento decorre sem a presença da arguida que justificou a ausência na audiência com um atestado médico.


Lusa / SOL
 
Topo