Movimentos sociais voltam às ruas portuguesas

florindo

Administrator
Team GForum
Entrou
Out 11, 2006
Mensagens
38,998
Gostos Recebidos
358


Movimentos sociais voltam às ruas portuguesas

Sete meses depois de uma das maiores manifestações realizadas nas últimas décadas em Portugal, a contestação à situação económica do país levou à convocação para hoje, pelos movimentos sociais, de outro protesto de rua “apartidário” em Lisboa.

A organização, que envolve três dezenas de movimentos e organizações sociais e não integra partidos nem sindicatos, escusa avançar estimativas da adesão ao desfile que ligará o Marquês de Pombal e o Parlamento nem aceita comparações com a marcha em que desceram a Avenida da Liberdade, a 12 de Março passado, mais de 200 mil pessoas.

Democracia participativa, iniciativa legislativa do cidadão e transparência são os três vectores principais em que apostam os organizadores, que vão promover uma assembleia popular junto ao Parlamento, a partir das 19h, onde entre outros assuntos, vão discutir uma proposta de «auditoria cidadã» à dívida pública.

Terminar o desfile na Assembleia da República é «simbólico» e pretende lembrar os deputados de que a voz dos cidadãos tem de ser ouvida, segundo os organizadores.

A manifestação, que começa às 15h, insere-se numa jornada a nível mundial que se realiza em mais de 80 países de diferentes continentes e em que se convocam as pessoas para «lutar pelos seus direitos e pedir uma autêntica democracia».

Em Portugal, estão ainda convocados desfiles em Angra do Heroísmo, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Porto, Coimbra e Santarém.

Um dos resultados já evidenciados é a «baixa significativa da corrupção», aponta.

«Apelo a que venham todos, porque neste momento estamos todos a ser atacados» com os cortes nos salários e subsídios e nos aumentos de impostos e bens essenciais, disse Paula Gil, uma das organizadoras do protesto.

Na quinta-feira à noite, depois do discurso ao país onde o primeiro-ministro anunciou mais medidas de austeridade como o corte dos subsídios de Natal e de férias aos funcionários públicos que ganhem mais de mil euros nos próximos dois anos e o agravamento de impostos, a plataforma organizadora do protesto emitiu uma nota de imprensa onde diz que «a austeridade atingiu um pico histórico em Portugal» e apelam: «indigna-te e mobiliza os teus para o protesto deste sábado».

Os cantores Jorge Palma e José Mário Branco e os escritores Hélia Correia e José Luís Peixoto anunciaram a participação na manifestação.


Lusa/SOL
 
Topo